A época dos viajantes

A Literatura Brasileira, na época Quinhentista, é mais informativa. Pero Vaz de Caminha, na carta que endereçou ao Rei Dom Manuel sobre o achamento do Brasil, descreve como era o índio, nestes termos: “A feição deles é serem pardos, maneira de avermelhados, de bons rostos e bons narizes bem feitos. Andam nus, sem cobertura alguma. Nisso tem tanta inocência, como tem em mostrar o rosto.”

Jean de Léry, em 1557, quando houve o primeiro culto protestante, assim se expressou: “Quanto à sua cor natural, apesar da região quente em que habitam, não são negros; são apenas morenos como os espanhóis ou os provençais. Coisa não menos estranha e difícil de crer para os que não os viram, é que andam todos, homens, mulheres e crianças, nus como ao saírem do ventre materno.”

Os principais autores do período são: Gabriel Soares de Souza, Pero de Magalhães Gandavo, José de Anchieta, Manuel da Nóbrega.  Os viajantes são: Américo Vespucci, Hans Staden, Jean de Léry e outros. Há, no entanto, uma obra que foi escrita aqui no Brasil, Rio de Janeiro, a pedido de Villegaignon e que muitos não sabem e é conhecida pelos presbiterianos com o nome “Confissão de Fé de Guanabara”. A Confissão foi feita em doze horas e foi assinada por Jean du Bourdel,  Matthieu Verneuil,  Pierre Bourdon,  André Fon. Deveria fazer parte da Literatura dos Viajantes. Ela Começa assim: “Segundo a doutrina de São Pedro Apóstolo, em sua primeira epístola, todos os cristãos devem estar sempre prontos para dar razão da esperança que neles há, e é isso com toda a doçura e benignidade, nós abaixo assinados, Senhor de Villegaignon, unanimemente (segundo a medida da graça   que o Senhor nos tem concedido) damos razão, a cada ponto, como nos haveis apontado e ordenado, e começando no primeiro artigo:

1 – Cremos em um só Deus, imortal, invisível, criador do céu e da terra e de todas as coisas tanto visíveis como invisíveis, o qual é distinto em três pessoas: o Pai, o Filho e o Santo Espírito, que não constituem senão uma mesma substância em essência eterna  e uma mesma vontade; o Pai, fonte e  começo de todo bem; o Filho,  eternamente gerado do Pai,  o qual, cumprida a plenitude do tempo se manifestou em carne ao mundo, sendo concebido  do Santo Espírito, nasceu da Virgem Maria feito sob a lei para resgatar os que sob ela estavam, a fim de que recebêssemos a adoção de próprios filhos; o Santo Espírito,  procedente do Pai e do Filho, Mestre de toda verdade, falando pela boca dos profetas, sugerindo as coisas que foram ditas por nosso Senhor Jesus Cristo aos apóstolos. Este é o único Consolador em aflição, dando constância e perseverança em todo bem. (Você, caro leitor, pode conhecê-la pelo site de Felipe Sabino de Araújo Neto: Http://www.monergismo.com/ )

Os autores foram enforcados e seus corpos atirados de um despenhadeiro, lá no Rio de Janeiro, em 1558. Foram os primeiros mártires reformados, protestantes que deram a vida pela sua fé.    A Literatura brasileira é linda, mas é triste também.

Últimas

Peça “Os malandros” estreia nesta segunda-feira

Espetáculos teatrais retornam com sucesso

Nesse final de semana, dois grupos teatrais da cidade estarão em cartaz. No Jardim Marabá, o auditório Municipal apresenta “Os Malandros”, produzido pela cia Tapanaraca Mutatis Mutandis. O musical será...

Professores dão dicas para segundo dia de provas

Professores dão dicas para segundo dia de provas

No próximo domingo (28), os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 farão as provas de matemática e ciências da natureza. Para se sair bem, professores entrevistados recomendam...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga