A taça do mundo de futebol foi nossa

No último 23 de outubro o cidadão Edson Arantes do Nascimento que o mundo conhece como Pelé completou 80 anos de idade e a data foi bastante comemorada na mídia visualizada, falada e impressa desse país. Daí que imagens fixas e movimentadas de décadas atrás foram revistas sobre o craque, o atleta do século XX, principalmente as da Copa do Mundo de 1958, a denominada “Jules Rimet” que aconteceu na Suécia, culminando com a finalíssima, em Estocolmo com a seleções do Brasil e da Suécia.

Lembro-me ainda bem daquele dia. Naquele domingo, 29 de junho de 1958, tinha 17 anos de idade (alias a mesma idade de Pelé) acordei mais cedo com um único objetivo: estudar Sociologia da Educação, disciplina administrada pelo professor Irineu Grick Mascarenhas (formado pela USP), no então Instituto de Educação “Peixoto Gomide”, que era puxadíssimo. Cursava o 2° ano Normal, ou colegial de Formação de Professores Primários, depois, curso de Magistério, que infelizmente acabou.

Teria prova bimestral no dia seguinte, segunda-feira e tinha que estudar muito. Paginas e paginas de caderno. Acontece que nessa mesma amanhã aconteceria o esperado jogo final da Copa. A equipe brasileira era até a favorita (estava encantando o planeta pelo seu futebol, até agora), mas tínhamos um doloroso estigma, ou seja, o de perder nas finais. Não saia da memória dos torcedores brasileiros a “tragédia do Maracanã”, no Rio de Janeiro, quando o Brasil, franco favorito, perdeu a finalíssima, no dia 16 de julho de 1950 para a seleção uruguaia, calando o estádio, considerado na época o maior do mundo. Duzentas mil pessoas assistiam a partida, transmitida pelos rádios (não havia rede de televisão aqui). A partir desse dia nossa alto-estima foi “a zero”. Começamos a ter o “o complexo de vira-lata” segundo o jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues. Agora seria a nossa redenção, mais será que ganharíamos? Acordei, liguei o rádio e uma “onda” nacionalista baixou em mim. Tomei café aos goles, deixei o caderno de Sociologia de lado e desci correndo a rua José Bonifácio (hoje calçadão) para pegar um bom lugar no disputado Bar Garcia (na época: o “rei dos sanduiches”) que ficava na esquina daquela rua com a Saldanha Marinho. O dono do bar sintonizava na Radio Bandeirantes onde a possante voz de Pedro Luiz irradiava na Suécia. Como não havia televisão, tínhamos que imaginar a jogada dos craques, transmitidas pelo locutor Pedro.

As vezes, a voz dele, parecia sumir e nós chegávamos à conclusão que o país escandinavo era mesmo longe. Não havia “marketing” futebolístico nem aqui nem lá (bandeira, camisas, chapéus, uniformes e outros mais). Torcíamos vestindo camisas e calças comuns que usávamos sempre, nada era colorido. Vibrávamos com as mãos para cima, com uma alegria espontânea, nada era “fabricado”. Tudo parecia muito ingênuo. No final deu Brasil (5×2). O quase menino Pelé chorou muito, abraçado a Gilmar (goleiro) e Didi (atacante).

O grande capitão Hideraldo Luís Belline fez a pose heráldica levantando o troféu acima da sua cabeça, a pedidos dos fotógrafos. Bastante emocionados, começamos a cantar no Bar Garcia, aqui em Itapetininga. O – “Com o brasileiro não há quem possa…”

PS – Estudei Sociologia Educacional naquela noite. Fui bem na prova.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

Filmes para quem gosta de comer… e cozinhar

Filmes para quem gosta de comer… e cozinhar

BAO (2018). O curta-metragem dirigido por Domee Shi fala de amor, e usa comida para representar uma mãe cuidando e acompanhando o crescimento do filho. Tem um viés bastante simbólico,...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga