Abelardo outra vez

Mais uma vez o nosso conhecido personagem Dr. Abelardo, folclórico em suas ações, volta a abordar, inusitadamente, as pessoas em seus locais de trabalho ou na rua. Geralmente em busca de uma “lógica” das coisas, entrando em conflito, colocando o outro em pânico, perplexo e angustiado. Criava uma verdade estranha no compreender do cotidiano.

Pois o nosso Abelardo, certa vez, entrou numa livraria (a do Camilo Lelis, na Campos Sales), olhou, durante por mais de quinze minuto os livros expostos na vitrine, folheou alguns e, em seguida, chamou o livreiro.

-O senhor tem todos os livros? perguntou Abelardo.

-Todos, não digo, mais muitos deles, respondeu o livreiro.

– O Charuto, também? Continuou Abelardo.

-O Charuto? perguntou o vendedor franzindo a testa. “O Charuto”, de quem?

-Depois de comprado é meu – disse Abelardo. –Antes não sei, será talvez seu…

-Mas, que espécie de livro é? Argumentou o livreiro (irmão do Pedro José de Camargo, famoso professor e locutor da PRD-9.

-Não creio que seja um livro – disse Abelardo. Pelo contrário, tenho a certeza que não é. Os charutos são coisas que se fumam, a não ser os de folha de uva ou de repolho que os “turcos” comem. Enquanto que os livros, não. O senhor fuma livros? Julgo ter falado claro desde o início, continuou ele. –Eu falei num charuto e não num livro!

– Eu entendi que o sr quisesse um livro intitulado “O Charuto” – balbuciou o livreiro, meio atrapalhado.

-Para fumar? O senhor engana-se redondamente. Eu nunca fumei livros, compro charutos e fumo-os.

-Mas aqui temos livros e não charutos.

-E o quer que eu faça? Bradou Abelardo. –Se o senhor costuma fumar livros, fume-os, que posso fazer?

-Os livros leem-se, não se fumam – protestou o vendedor.

-Então quando lhe apetece fumar, como faz? Perguntou Abelardo.

-Eu não…. Gaguejou o livreiro, que já não sabia o que fazer.

– O senhor não! O senhor não. Berrou Abelardo perdendo sua famosa falta de paciência. O senhor me faz é perder tempo e nada mais.

Abelardo encolheu os ombros e foi à sua vida, como de costume, perambular pelas ruas de Itapetininga.

O que Abelardo e nem o livreiro lembraram é que os livros podem nos levar a qualquer lugar, a fazer qualquer coisa, a sentir, ver, sonhar, imaginar, criar monstros, amores e até mesmo fumar. Fumar os próprios livros.

Últimas

Cidade registra 66 furtos de veículos no ano

Cidade registra 66 furtos de veículos no ano

Os itapetininganos têm convivido com uma realidade preocupante, o aumento dos casos de furto de veículos e as ocorrências de roubo de veículos. Dados estatísticos da Secretaria de Segurança Pública...

Comércio começa atender com horário estendido

Comércio começa atender com horário estendido

Se preparando para a melhor data para o comércio do ano, as lojas de Itapetininga começaram a atender em horário especial a partir desta semana. De segunda-feira a sexta-feira, as...

Junta Militar de Itapetininga realiza o EXAR

Junta Militar de Itapetininga realiza o EXAR

O Exercício de Apresentação da Reserva (EXAR) é realizado anualmente no período de 09 a 16 de dezembro, e tem como principais finalidades: praticar o mecanismo de convocação, atualizar dados,...

Mutirão retira 147 toneladas de resíduos

Mutirão retira 147 toneladas de resíduos

A Prefeitura de Itapetininga realizou mais um “Mutirão contra a Dengue” que retirou 147 toneladas de resíduos nas vilas Arruda e Paulo Ayres, neste final de semana. Junto com as...

Cidade recebe Campanha Natal Literário

Cidade recebe Campanha Natal Literário

A Biblioteca Municipal “Dr. Júlio Prestes de Albuquerque” lançou mais uma campanha para que os usuários com livros em atraso possam resolver suas pendências.É a Campanha Natal Literário que acontece...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga