Abelardo outra vez

Mais uma vez o nosso conhecido personagem Dr. Abelardo, folclórico em suas ações, volta a abordar, inusitadamente, as pessoas em seus locais de trabalho ou na rua. Geralmente em busca de uma “lógica” das coisas, entrando em conflito, colocando o outro em pânico, perplexo e angustiado. Criava uma verdade estranha no compreender do cotidiano.

Pois o nosso Abelardo, certa vez, entrou numa livraria (a do Camilo Lelis, na Campos Sales), olhou, durante por mais de quinze minuto os livros expostos na vitrine, folheou alguns e, em seguida, chamou o livreiro.

-O senhor tem todos os livros? perguntou Abelardo.

-Todos, não digo, mais muitos deles, respondeu o livreiro.

– O Charuto, também? Continuou Abelardo.

-O Charuto? perguntou o vendedor franzindo a testa. “O Charuto”, de quem?

-Depois de comprado é meu – disse Abelardo. –Antes não sei, será talvez seu…

-Mas, que espécie de livro é? Argumentou o livreiro (irmão do Pedro José de Camargo, famoso professor e locutor da PRD-9.

-Não creio que seja um livro – disse Abelardo. Pelo contrário, tenho a certeza que não é. Os charutos são coisas que se fumam, a não ser os de folha de uva ou de repolho que os “turcos” comem. Enquanto que os livros, não. O senhor fuma livros? Julgo ter falado claro desde o início, continuou ele. –Eu falei num charuto e não num livro!

– Eu entendi que o sr quisesse um livro intitulado “O Charuto” – balbuciou o livreiro, meio atrapalhado.

-Para fumar? O senhor engana-se redondamente. Eu nunca fumei livros, compro charutos e fumo-os.

-Mas aqui temos livros e não charutos.

-E o quer que eu faça? Bradou Abelardo. –Se o senhor costuma fumar livros, fume-os, que posso fazer?

-Os livros leem-se, não se fumam – protestou o vendedor.

-Então quando lhe apetece fumar, como faz? Perguntou Abelardo.

-Eu não…. Gaguejou o livreiro, que já não sabia o que fazer.

– O senhor não! O senhor não. Berrou Abelardo perdendo sua famosa falta de paciência. O senhor me faz é perder tempo e nada mais.

Abelardo encolheu os ombros e foi à sua vida, como de costume, perambular pelas ruas de Itapetininga.

O que Abelardo e nem o livreiro lembraram é que os livros podem nos levar a qualquer lugar, a fazer qualquer coisa, a sentir, ver, sonhar, imaginar, criar monstros, amores e até mesmo fumar. Fumar os próprios livros.

Últimas

CORREIO POLÍTICO 1012

CORREIO POLÍTICO 1012

Presidente Lula na região Na próxima terça-feira, dia 23, o presidente Lula estará na nossa região, em visita ao Campus Universitário Lagoa do Sino, da Universidade Federal de São Carlos...

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Nos últimos oito anos, a expansão dos cursos gratuitos de graduação da Fatec e do IFSP foi paralisada em Itapetininga. No período, ex-prefeita Simone Marquetto (MDB), que governou a cidade...

Justiça Eleitoral paulista fará transmissão de boletins de urna por satélite nas Eleições 2022

TSE divide R$ 4,9 bi a 29 partidos políticos

Com R$ 4,9 bilhões, o Fundo Especial de Campanha já tem o destino certo dos valores para cada partido político no Brasil. Como já era projetado, o PL e o...

Instalação de curso  de Medicina é marco

Instalação de curso de Medicina é marco

A educação de nível superior registrou um forte avanço na gestão Simone Marquetto com a abertura do curso de Medicina do campus da Universidade São Caetano do Sul (USCS). A...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.