Alegria, alegria

Num deste dia da eterna pandemia (até quando?) assisti, mais uma vez, o documentário (via google, via internet) “Uma noite em 67”, produzido pelos documentaristas Renato Terra e Ricardo Calil sobre o borbulhante “3° Festival de Música Popular Brasileira de 1967” ocorrido em outubro daquele ano, promovido pela TV Record e cuja finalíssima (tema do documentário) aconteceu no teatro Paramount, da emissora, na avenida Brigadeiro Luís Antonio no Bexiga, em São Paulo.

Depois de vários programas classificatórios, o ultimo, justamente a final, transcorreu num sábado á noite e na época a TV Record tinha o maior “cast” (o elenco) de cantores famosos e atuais do Brasil e a Música Popular Brasileira, de bom gosto, dominava o horário nobre da televisão.

A finalíssima iria parar a cidade de São Paulo, como parou para assistir o grande “show”. E pensar que naquela época, a Record “não pegava” aqui em Itapetininga e os locais não podiam assistir aquela obra prima. Obra prima, sim. O 3° Festival MPB foi. E a musica popular brasileira nunca mais foi a mesma depois daquela noite. Dizem até que ela (música popular brasileira) perdeu a sua “virgindade” naquele Festival. Acabou-se o purismo. Pois Gilberto Gil e Caetano Veloso, meio desconhecidos até então (principalmente Caetano) tiveram a ousadia de introduzir guitarras elétricas em suas canções respectivamente “Domingo é no parque”, acompanhado por Rita Lee e os irmãos Batista e “Alegria, Alegria” com Caetano e guitarrista uruguaios um conjunto “Beat Boys”. Imaginem a cena: seguimentos de estudantes da Universidade de São Paulo, a USP, na plateia, inconformados com a horrível ditadura civil-militar da época (1964-1985), ainda teriam que aguentar música eletrônica com sons estrangeiros na mpb. Era demais. Apupos, vaias naqueles cantores e compositores e outros seguimentos de estudantes também uspianos, que queriam mudança, bradavam contra e do lobo (que conquistou o primeiro lugar com “Ponteio”) e Chico Buarque de Holanda (com “Roda Viva”) por não renovarem suas músicas dando-lhes um aspecto ainda tradicional. Mais enfim, naquela noite de 1967, tudo era cultura brasileira, tudo era nacional-brasileiro. E as manifestações eram livres naquela plateia sem censura militar.

Apesar de tudo, ainda dava para acreditar no Brasil e achar que nosso país ainda iria ter um futuro brilhante. Acreditávamos apesar que no ano seguinte 1968 haveria um “Golpe no Golpe” e sugeria o Ato Adicional número 5 que iria mais e mais, prender, torturar e matar brasileiro.

(Só para lembrar: “Alegria, Alegria” é aquela canção que diz: Caminhando contra o vento, sem lenço e sem documento eu vou… Por que não?)

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga