Arte Moderna

Foi nas noites de 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922, no saguão do Teatro Municipal de São Paulo que vários artistas mostraram obras com uma linguagem nova. A semana recebeu o nome de Semana da Arte Moderna.

Ela foi aberta por Graça Aranha, que era pré-modernista e que aderiu ao movimento dos modernos. Fez Aranha uma conferência sobre “A Emoção Estética” na Arte Moderna. Foi ilustrado com declamações de poemas e com a execução de peças de Villa Lobos. Tudo isso ocorreu na primeira noite.

Na segunda noite, o declamador foi Ronald de Carvalho que recitou “Os Sapos” de Manuel Bandeira. Ridicularizou o parnasianismo. Olavo Bilac, o príncipe dos poetas parnasianos, dizia nos seus versos: “Quero que a estrofe cristalina/ Dobrada ao jeito/ do ourives saia da oficina / Sem um defeito / Assim procedo. Minha pena / Segue essa norma. Deusa serena, / Serena Forma. /” foi a noite mais agitada, como afirmam os historiadores. A palestra foi apresentada por Mário de Andrade. A pianista, que brilhou, foi Guiomar Novaes.

A terceira noite foi dedicada à música. Villa Lobos apresentou-se de casaca e chinelos. Alguns acham que ele assim se apresentou para desmoralizar, como fazem certos pregadores que pregam com calça jeans e camisa para fora da calça. (Falsa humildade) Outros afirmam que ele veio de chinelos, uma vez que estava com o pé machucado. Os escritores empregavam uma nova linguagem, até com erros. Atacavam o passado e, de um modo particular, o parnasianismo, uma vez que era um estilo muito apegado a regras e modelos. Defendo os modernistas quanto à literatura, mas defendo as obras clássicas, elas não devem ser mudadas e devem ser apresentadas como eram e como são.

A Bíblia, por exemplo, deve ser traduzida do Hebraico e do Grego corretamente, sem omitir palavras, como os escribas hebreus fizeram com o Velho Testamento, (conservando para nós), pois podem deixar de dizer, propositalmente, uma palavra chave para o bom entendimento de um dogma. No evangelho de Mateus, por exemplo, no capítulo onde narra o nascimento de Jesus, omitiram a palavra “prototokon” “primogênito”. No texto diz: “mas não a conheceu ela intimamente, enquanto não deu à luz seu filho primogênito. E lhe deu o nome de Jesus. ” Em português, na Bíblia revista e atualizada no Brasil, assim aparece o texto: “Contudo não a conheceu, enquanto ela não deu à luz um filho, a quem pôs o nome de Jesus. ” (Será que é Modernismo?) No mesmo evangelho, capítulo 25, versículo 13 omitiram uma oração. No texto falso assim está: “Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora. ” Repare como está no grego, traduzindo no pé da letra: “Portanto, vigiai, porque não sabeis nem o dia nem a hora em que o Filho do homem vem. ”

Que coisa horrível! Que blasfêmia! Não se omite nenhuma palavra importante da Bíblia. Modernismo tem limites. A Bíblia, para mim é a única regra de fé e prática nas línguas originais.

Últimas

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.