Contrição

Estive em Setúbal, Portugal, no dia primeiro de julho de dois mil e dezenove, cidade de Bocage, aliás, o seu nome completo é Manuel Maria Barbosa Du Bocage. Foi o sátiro, como já disse alguém, de irreverência sem par e o maior talento poético repentista da Literatura Portuguesa.

Vi o bar onde ele escrevia e declamava as suas poesias eróticas e satíricas. Na praça está a sua estátua e ele numa pose de declamador.

Lembrei-me, quando tirava uma foto de sua estátua, do meu professor de Literatura Portuguesa e Brasileira. Na época, nos idos de sessenta, o Rev. Armando Pinto de Oliveira, o meu professor, recitou, entusiasticamente, como bom português, o soneto “Contrição” de Bocage. Na época fiquei deslumbrado com a poesia e com a chave de ouro: “ Deus, oh Deus… quando a morte à luz me roube / ganhe um momento o que perderam anos, / saiba morrer o que viver não soube”. / Naquela fase da vida, como adolescente, vivia pensando e sonhando com a morte. Perdera na época minha mãe, santa flor de lis e o meu pai, historiador e meu inspirador. A morte estava nos olhos e na mente.

Lembrei-me de Paulo Setúbal, o escritor de Tatuí que escreveu “Confiteor”, obra que se assemelha ao soneto de Bocage. Aflorou, também, na minha mente, o ladrão, que na hora extrema e ao lado de Jesus, reconhecendo a Divindade de Cristo e a inocência, numa prece curtíssima, disse: “Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino”. Embora a oração fosse curtíssima e sem as pieguices dos fariseus, Jesus, o Verbo Divino, respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso”.

Na hora extrema o ladrão que passara furtando e roubando, reconheceu o seu pecado e a pureza de Jesus, arrependido ficou do lado de Cristo e ao seu lado foi para o Céu, que Jesus o denominou de Paraíso.

Comprei uma obra de Bocage e, no hotel, no período noturno, antes de orar e agradecer o dia que Deus me dera, li alguns sonetos satíricos de Bocage e uma confissão na agonia: “Já Bocage não sou… A cova escura/ meu estro vai parar desfeito em vento…/ Eu aos céus ultrajei! O meu tormento/ leve me torne sempre a terra dura”. / No final, na famosa chave de ouro, lembrando-se de Pedro, o Aretino, que, como ele, fez sonetos licenciosos, disse: “Outro Aretino fui… A santidade/ manchei!… Oh! Se me creste, gente ímpia, / rasga meus versos, crê na eternidade! ”/ (Pedro Aretino era um poeta italiano e morreu em Veneza em 1557, autor de diálogos cheios de graça e vivacidade e de muitos sonetos licenciosos.)

Como ficaria feliz, se soubesse, que todos os que me leem se tornassem discípulos de Jesus e jamais morressem com o coração cheio de remorsos, mágoas e tristezas por não terem vivido bem e longe da cruz de Cristo.

Continuo parafraseando Fernando Pessoa: Ensinar é preciso.

Últimas

Pessoas de 57 anos ou mais serão vacinadas hoje

Prefeitura divulga novo cronograma de vacinação

TERÇA-FEIRA – 03 DE AGOSTO 1ª DOSE 24 ANOS OU MAIS – Pessoas sem comorbidades (Drive-thru e a pé nos dois pontos de vacinação) Atende Fácil da Prefeitura e Ginásio...

Isabelly vibra com sucesso das “minas” no skate

Isabelly vibra com sucesso das “minas” no skate

A skatista itapetiningana Isabelly Ávila, de apenas 16 anos, por pouco não se classificou para as Olímpiadas de Tóquio, mas mesmo de longe, segue torcendo pelos atletas estreantes da modalidade...

HLOB está com 100% de ocupação nos leitos para Covid

Hospital de Campanha e UTI do HLOB estão100% ocupadas

A UTI Respiratória do Hospital Léo Orsi Bernardes (HLOB) e o Hospital de Campanha Interno estão 100% ocupados. Preparada para receber pacientes infectados com a Covid-19, a UTI recebe pacientes...

Bolsa Família injeta R$ 5,37 milhões na economia

Bolsa Família injeta R$ 5,37 milhões na economia

Itapetininga recebeu no primeiro semestre, por meio de repasse do Programa Bolsa Família cerca de R$ 5,37 milhões. A informação é do portal de transparência do Governo Federal. Este valor...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga