DEMOCRATITE

O contexto político brasileiro nunca foi uma maravilha.
Nossos historiadores narram os mandos e desmandos dos antigos coronéis e barões do café, com seus séquitos e currais eleitorais. Só faziam e desfaziam graças à pouca cultura e dependência do povo, e, sempre, graças à subserviência de políticos menores, que sequer eram coronéis ou grandes agricultores.

Tivemos, contudo, ao longo da história, homens que honraram os mandatos, mas não chegaram a edificar instituições sólidas. O mandatário mais recente, de melhor memória, foi Itamar Franco, que assumiu em contexto confuso e conturbado, e conseguiu só deixar como acusações o controverso topete e uma ou outra aventura amorosa.

Escrevemos uma Constituição, experimentamos a bênção do Plano Real, legislamos a Responsabilidade Fiscal e adentramos a sensação da democracia participativa e responsável. Contudo, as amarras e costumes dos antigos coronéis persistem, agora praticados por personagens, executivos e legislativos, pouco conformados com as legislações que limitam os mandos e obrigam procedimentos.

Agigantamos e malversamos a instituição dos cargos comissionados, confundindo a participação técnica com conveniência partidária, e tornamos cargos relevantes simples objetos de barganha política. Voltamos à antiga pessoalidade e pouca transparência, no desempenho do poder, agora exercido como mero preparativo ao mandato seguinte.

Conseguimos a demolição do maior sustentáculo de nosso regime: a autonomia harmônica dos poderes. O legislativo, subjugado, constitui blocos de incondicional apoio, inclusive malversando CPIs e aprovando, para a Suprema Corte, cidadãos que jamais foram juízes.

A possibilidade nomeação de legisladores com mandato, para cargos comissionados, prostitui ambos os poderes, e a reeleição, que pode ser tentada até sem o afastamento do cargo, agrava todas as mazelas de nosso sistema. Não conseguimos, ainda, a cura da democratite, doença grave que permite, a analfabetos funcionais, incapazes de elaborar e compreender os mais singelos textos e análises, assumirem qualquer dos mandatos legislativos e executivos.

É a democratite que, a pretexto de contornar desigualdades históricas, classifica os cidadãos segundo a cor da pele, e prefere cotas racistas a cotas sociais. É a democratite que devolve, ao meio social, bestas violentas, sem que estejam ressocializadas, maiores ou menores.

É a democratite que paparica o marginal, enquanto na esquina, pouco se importando com o horror que lhe é dispensado, enquanto prisioneiro. É a democratite que, a pretexto de informar, lota a mídia de propagandas desnecessárias e onerosas; no fundo, partidárias.

Não vamos bem, e convém notar que a liberdade edificadora da mídia e das redes sociais incomoda a maioria de nossos homens públicos, que podem, em nome de pretensa democratite da informação, impor limitações à liberdade de expressão. Para governos e políticos que já tentaram censurar antigas obras e autores, sanear as dissidências soa como missão divina.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga