DESARMAMENTO

A insegurança pública tem acirrado as discussões a respeito do desarmamento da população.
Na verdade, não é impossível a propriedade e posse de armas, mas as autorizações administrativas tornam-se cada vez mais difíceis, considerando o domínio mínimo de conhecimento do manejo, aspectos psicológicos, histórico do interessado e real necessidade do armamento. Tais exigências soam lógicas, considerando a letalidade das armas.
É verdade que criminosos conseguem a aquisição de armamento e munição de maneira informal, não existindo notícias de que alguém tenha abandonado a delinquência por falta do material. Também é verdade que grande parte de tal armamento é obtido por via do roubo ou furto de armas em poder das vítimas, no domicílio ou fora dele.
A tipificação, como crime, da propriedade e posse ilegal de armas, basta para a ação de encarceramento de bandidos, mesmo quando não estejam sendo utilizadas. Tal situação torna incômodo e arriscado o simples fato de possuir ou portar armas não autorizadas.
É notório o fato de que a maioria das pessoas não dispõe de condições psicológicas para portar armas, e uma simples discussão de trânsito pode acabar em morte, por descontrole emocional da parte armada. Também é notório que, embriagada, drogada ou surtada, a pessoa tem comportamento imprevisto e precipitado. Para alguns, basta uma irritação passageira para agirem como animais.
O armamento representa uma ilusória proteção, pois os criminosos gozam do privilégio da escolha do momento e oportunidade, e costumam possuir maior destreza na utilização de armas. A imensa maioria dos crimes que acabam somente em prejuízos econômicos e psicológicos envolve vítimas desarmadas, que não tentam resistir.
Por outro lado, policiais desarmados, fora do horário de serviço, acabam assassinados, quando assaltantes identificam-lhes a profissão. Para eles, o porte significa uma chance de sobrevivência.
Nas propriedades rurais, regiões pouco povoadas, ou com altos índices de criminalidade, a propriedade de armas, em domicílio, pode ser uma necessidade do cidadão. Tal condição é analisada quando das solicitações administrativas.
O porte de armas letais é arriscado ao portador e à sociedade, bem mais que aos criminosos. Em se tratando de seguranças privados e até mesmo guardas municipais, qualquer autorização menos rigorosa e mal monitorada também coloca em risco toda a sociedade.
Não é verdade que a população esteja compulsória e totalmente desarmada. Ocorre que o armamento está sujeito a normas rígidas, à altura do risco que representam. Em casos de absoluta necessidade, em que o pretendente possui todas as condições indispensáveis à autorização administrativa, cabe recurso ao judiciário, em caso de injustificada negativa.
A busca por armamentos decorre da sensação de insegurança, agravada pelo sucateamento das polícias e sofisticação de atos criminosos. Também, e principalmente, decorre das bondades da legislação e endeusamento da menoridade, que pouco coíbem as ações criminosas.

Últimas

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

Um ofício da OAB de Itapetininga enviado para autoridades indica provável operação irregular das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) alimentadas pelas represas no curso do rio Turvo em Pilar do Sul....

Cidade registra 300 casos de Covid na semana

Casos de Covid desaceleram, mas UTI segue 70% ocupada

Itapetininga está há duas semanas sem registrar mortes em decorrência da Covid-19. O registro de novos casos também desacelerou, em uma semana foram confirmados 69 novos casos, uma média aproximada...

Escola Peixoto Gomide comemora 127 anos

Projeto “Falar é Bom” realiza palestras para jovens

O Projeto “Falar é Bom”, ação da Prefeitura de Itapetininga coordenada pela Secretaria Municipal de Promoção Social, retoma suas atividades presenciais, seguindo todas as medidas sanitárias, com foco no “Setembro...

Logística é aliada essencial do e-commerce

Logística é aliada essencial do e-commerce

O e-commerce é um setor que vem crescendo no Brasil e no mundo, principalmente em razão da pandemia de Covid-19, que impossibilitou a compra de produtos de forma presencial. Para...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga