Dia das Mães

Mãe e amor são palavras da mesma classe gramatical. Só que a primeira é um substantivo concreto e a outra é um abstrato. Se a origem para o gramático é diferente, para o teólogo é a mesma. Mãe é fruto do amor divino para quem vivia só e precisava de uma companheira para lhe dar a sucessão infinita do amor.
Moisés, o cronista da criação, afirma que “o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão” e enquanto ele sonhava, tomou uma de suas costelas e formou a mulher. Sem formão, mas com a sua própria mão, esculpiu a mulher, arredondando o corpo, estreitando aqui, ajustando ali. Como molde usou a romã partida, o fio da escarlata e as gêmeas das gazelas, quando se apascentam entre os lírios. (Cantares 4:1 a 5)
Depois de orná-la, dando-lhe a doçura do mel nos lábios, o aroma dos unguentos e de toda sorte de especiarias, trouxe-a para o guapo rapaz que saíra de suas mãos no último dia da criação. Vendo-a, Adão não se conteve e, numa declaração de amor, disse: -“Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.” (Gênesis 2: 23) Era imaculada, formosa, aprazível e amor em delícias. (Cantares 7:6) Tornou-se mãe e recebeu o nome de Eva por ser a mãe de todos os viventes. (Gênesis 3: 20)
Mãe é amor e amor é mãe. A essência é a mesma. Não se pode abstrair o amor do substantivo concreto, que é mãe. É possível inverter as letras do vocábulo mãe e misturá-las no cadinho e surgirá o subjuntivo “ame” para a mãe e o imperativo “ame” para o filho. O til, que no substantivo mãe aparece, é um resquício do coração de Jesus. Ela ama pelo desejo de amar e ele por obrigação para quem lhe deu a vida. Que eu ame sempre é o desejo sincero daquela que foi criada para amar e se sujeitar ao amor. “Ame” é o imperativo do quinto mandamento da Lei do Senhor. (Êxodo 20:12)
Se no mandamento aparecem as palavras pai e mãe é porque os nomes, no cadinho divino, se fundiram. Separá-las é impossível e dividi-las é injusto, portanto, louvado seja Deus que criou o pai e do pai fez a mãe e de ambos, os filhos, frutos do amor celestial e terreno.
Curiosidade: Anna Jarvis perdeu a sua mãe e sentiu um vazio tão grande, deixando transparecer aos seus familiares e amigos. Eles, diante disso, resolveram prestar uma homenagem à memória de sua mãe. Anna Reeves Jarvis, no segundo domingo de maio de 1907. Anna Jarvis, professora primária de Webster, na Virginia Ocidental, ficou agradecida e transferiu tal homenagem a todas as mães. Fez campanha. A primeira celebração pública foi na Igreja Episcopal de Grafton, West Virginia, no dia 10 de maio de 1908. O Presidente Woodrow Wilson (1856-1924), em maio de 1914, assinou um decreto, oficializando o dia das Mães na América do Norte. No Brasil foi oficializado pelo Presidente Getúlio Dornelles Vargas, em 1932.

Últimas

Começou esta semana a vacinação contra a gripe em idosos e profissionais da saúde

Sábado é dia de vacinação contra a Covid e Gripe

Com a grande adesão da população às repescagens da vacinação contra Covid-19 realizadas aos sábados no shopping de Itapetininga, a Secretaria de Saúde do município decidiu incluir no esquema de...

Vitrine – Realismo

Vitrine – Realismo

A coluna Vitrine desta semana apresenta algumas produções dos alunos do Art Studio & Atelier Henrik Ribeiro.Henrik Ribeiro trabalha há dois anos e meio como tatuador. Ele sempre pensou em...

Confira a programação no aniversário de Alambari

Confira a programação no aniversário de Alambari

A prefeitura de Alambari preparou diversas atividades em comemoração ao 30° aniversário de emancipação político-administrativa. A agenda começou no último sábado, dia 14, com concurso da rainha do rodeio e...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga