Em Itapetininga, o milagre que levou Santa Ana no alto da vila

Povoação de maior importância e graduação que bairro e menor que cidade. Além dessa definição, vila também pode significar casa de campo, de construção mais ou menos elegante, própria para recreio, ou ainda, casa de habitação com jardim, dentro da cidade.
São dezenas de vilas que integram a cidade de ltapetininga, quase todas com vida própria e poucas dependendo do comércio ou outros serviços essenciais do centro urbano. Mas, Lima delas, talvez a mais populosa e centenária, localiza-se a noroeste, às margens do antigo Ribeirão da Serra, atualmente Dos Cavalos – devidamente limpo – e conhecida como Vila Santana.
Caminhando com seus próprios pés, essa extensa área onde, incrustada encontra-se, hoje, a abandonada estação da extinta Estrada de Ferro Sorocabana, foi propriedade de Juca da Serra, fazendeiro que residia para os lados do Capão Alto e que ali desenvolvia atividades agropecuárias.
Com poucas residências, no entanto, já contava com grande empreendimento da família Hungria, ou melhor, a Cia Soares Hungria que, no longínquo ano de 1923 implantou a expressiva indústria algodoeira, exportando óleo para diversos países da Europa. No próprio ribeirão funcionava a primeira roda d’água, gerando energia própria, em vista da deficiência do setor no município, destinada a serraria e a cerâmica existentes. Daí fabricava-se tijolos da mais alta qualidade, abastecendo não só a cidade como localidades vizinhas e, inclusive, utilizados na construção de vários barracões da máquina desencaroçadeira de algodão e para as fábricas de óleo e ração. As indústrias localizavam-se onde, atualmente, se encontram o supermercado Cofesa e o depósito de algodão da antiga sede da Viação Cometa. O próprio Colégio Imaculada Conceição, tradição de ensino da região e um curtume da empresa, onde existia a escola Sebastião Pinto, tiveram suas obras realizadas com tijolos da olaria denominada, então, “Tijuco Preto”, isto além das casas destinadas a operários e funcionários da Cia Soares Hungria.

NO ALTO, A IGREJA – Dominando toda a vila e visualizando, nitidamente, os recantos de Itapetininga, a igreja de Sant´Ana, hoje elevada a Paróquia, antes restringia-se a uma pequena capela, adorada por milhares de fiéis e festejada, anualmente, no mês de julho, por toda população da cidade. E esta capelinha tem origem em fato real ocorrido na década de 1920, ocasião em que um incêndio de grandes proporções atingiu o depósito da Cia Soares Hungria, transformando em cinzas toneladas de algodão, sem que fosse conseguido debelar o sinistro.
No entanto, decorridos alguns minutos, quando os proprietários já procuravam contabilizar os prejuízos, eis que as chamas foram se reduzindo gradativamente até se apagarem por completo. E isso sem auxílio de espécie alguma.
Ao verificar o grande número de fardos e de algodão queimados, perplexos, os proprietários e funcionários notaram que o incêndio se extinguiu, justamente, onde havia uma capelinha com a imagem ¬de Nossa Senhora de Santana, completamente intacta e sem sofrer nenhum chamuscamento. O fato, considerado um verdadeiro milagre e, para agradecer e reverenciar a santa, os irmãos Acácio e Alcindo Soares Hungria construíram uma capela e um cruzeiro em homenagem à Sant’Ana que abençoa e protege ¬todo o recanto da vila, uma das mais adiantadas e progressistas de Itapetininga.

(*) crônica publicada no livro “Vivas Memórias – volume 1”

Últimas

Começou esta semana a vacinação contra a gripe em idosos e profissionais da saúde

Sábado é dia de vacinação contra a Covid e Gripe

Com a grande adesão da população às repescagens da vacinação contra Covid-19 realizadas aos sábados no shopping de Itapetininga, a Secretaria de Saúde do município decidiu incluir no esquema de...

Vitrine – Realismo

Vitrine – Realismo

A coluna Vitrine desta semana apresenta algumas produções dos alunos do Art Studio & Atelier Henrik Ribeiro.Henrik Ribeiro trabalha há dois anos e meio como tatuador. Ele sempre pensou em...

Confira a programação no aniversário de Alambari

Confira a programação no aniversário de Alambari

A prefeitura de Alambari preparou diversas atividades em comemoração ao 30° aniversário de emancipação político-administrativa. A agenda começou no último sábado, dia 14, com concurso da rainha do rodeio e...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga