ESCRAVOS OU PATRÕES

Houve um tempo em que animais domésticos e plantas compunham a paisagem humana.
O planejamento de qualquer viagem incluia a pessoa encarregada de cuidar do gato, peixe, cachorro ou galinha, e regar as plantas da família, em sua ausência. Animais e aves tinham nomes, e as plantas eram identificadas como alegres ou tristes, a um simples olhar.
A convivência do homem com outras espécies vem declinando, pela exiguidade de tempo e espaço, mas também pelo surgimento de novas e fascinantes tecnologias de inclusão e convivência. O humanidade está menos comprometida com o dever de cuidar de animais e plantas domésticas, mas não mais livre e descompromissada.
Celulares, computadores e veículos são os novos e inseparáveis amigos do homem. É cada vez maior o grau de dependência humana, em relação a tais recursos.
É difícil atravessar um quarteirão sem notar que dezenas de pessoas manejam celulares, e é difícil não imaginar os custos de tal hábito, arcado pela esmagadora maioria de nossos cidadãos. Celulares promovem conversas, encetam negócios, ilustram, divertem e aproximam pessoas.
Celulares são fatores de segurança, como chips pessoais. Ao fotografarem, elucidam crimes, destróem versões e documentam cenas. Dão ainda acesso a informações, veiculadas pela mídia e rede mundial de computadores.
Chamam a polícia, ou alertam para sua proximidade. Nas prisões, desafiam sistemas e promovem comunicações, facilitando e ordenando crimes.
Computadores acumulam e disseminam informações, regem sistemas administrativos e, por aqui, até contam votos, proclamando os eleitos. Pesquisas escolares, que outrora demandavam horas e horas de leitura e anotações, hoje são realizadas a um simples dedilhar.
Séculos e séculos de conhecimento humano são armazenados em minúsculos equipamentos, cálculos e projetos nascem com rapidez e naturalidade. A rede mundial de computadores dissemina cultura e informações, socializando o conhecimento.
Já os veículos promovem o conforto e status humano, apesar de lotarem cemitérios e tornarem um inferno a vida nos grandes centros. Motos, que mutilam, geram empregos e facilitam deslocamentos.
Redes sociais funcionam como parlamentos informais, informando e desinformando. São mídias instantâneas, que promovem convivências e diálogos, e conseguem rodas de conversas entre pessoas distantes.
A nova conjuntura humana está definitivamente atrelada aos novos equipamentos e tecnologias. A dependência é cada vez maior, e a luta pela preservação de culturas e tradições segue hercúlea, amordaçada pela crescente padronização de valores e entendimentos.
Acordamos tardiamente para os novos tempos, e insistimos em julgar pouco atraente um mundo sem a proximidade de animais e plantas, que tornam a vida humana mais natural e encantadora.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga