Estranha apologia aos contraventores

Poderia ser considerada uma insensatez profunda, ou então um elogio altissonante e impávido a tudo que seja considerado fora dos limites da decência ou também da civilidade.

A vida, isto em todas civilizações do hemisfério, tende, teoricamente, a ser pautada pela dignidade, honradez, hombridade e respeito ao ser humano, em qualquer atividade, por menor que seja.

Em recente lançamento – talvez ignorado por muitos – anunciado aos quatro ventos, de livro que está sendo relativo sucesso e que leva o título “Compêndio de bobagens e estultices”, o autor afirma com convicção que há necessidade urgente de adoção de novos métodos para área da convivência humana

Supreendentemente se depara com estranhos artifícios estratégicos para alcançar uma relação prática e eficaz entre os homens, mas diferente de tudo que existe e longe de todos que os almejam.

O autor, quase desconhecido, sem sensibilidade e alheio às verdadeiras maneiras de ensinar o caminho correto e digno do ser humano, aponta a uma senda que conduz ao infortúnio, à desgraça e à morte. A “senda é estreita e saindo dela a morte é certa”, proclamou o conhecido Juca Kfouri em seu livro “Confesso que Errei”.

Para ele, a solução para os múltiplos e esdrúxulos problemas da sociedade e do povo seria “a não prisão de qualquer delinquente que perturbe e coloque em risco a vida de cidadãos honrados, trabalhadores e dignos de viver honestamente”.

Preconiza o livro que “deveriam todos os meliantes, de qualquer categoria, andar à vontade e livres sem serem importunados, executando quaisquer atos malignos, sem nenhuma punição, além de outros mandamentos sem pé nem cabeça, de seus.

Portanto, todo o cidadão que não compartilhe desse modo de vida, deveria estar confinado, sem direito algum, em sua residência, aparvalhado, esperando ser atacado. Enquanto os fora da “antiga” lei usufruem com todas benesses da sociedade, exemplos para quaisquer grupos sociais. Na realidade, esse autor, preconizava um tempo de desrespeito ás leis e à ordem, um mundo dominado pelas gangs, dirigido por forças policiais, como em Gotham City, do Coringa, Pinguim e Charada.

Com razão diria o grande escritor argentino, Jorge Luiz Borges, “assim caminha a humanidade, ouvindo, assistindo e observando determinadas leviandades e erros, sem qualquer nexo”.

 

Últimas

Começou esta semana a vacinação contra a gripe em idosos e profissionais da saúde

Sábado é dia de vacinação contra a Covid e Gripe

Com a grande adesão da população às repescagens da vacinação contra Covid-19 realizadas aos sábados no shopping de Itapetininga, a Secretaria de Saúde do município decidiu incluir no esquema de...

Vitrine – Realismo

Vitrine – Realismo

A coluna Vitrine desta semana apresenta algumas produções dos alunos do Art Studio & Atelier Henrik Ribeiro.Henrik Ribeiro trabalha há dois anos e meio como tatuador. Ele sempre pensou em...

Confira a programação no aniversário de Alambari

Confira a programação no aniversário de Alambari

A prefeitura de Alambari preparou diversas atividades em comemoração ao 30° aniversário de emancipação político-administrativa. A agenda começou no último sábado, dia 14, com concurso da rainha do rodeio e...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga