Gosto de ser da rua Campos Sales

Não se trata de nenhum Bom Retiro onde se situa a Rua José Paulino, e muito menos uma das vias públicas de Tel-Aviv- Jerusalem, em Israel. Refere-se, pura e claramente aqui na Itapetininga centenária e tradicional centro educativo, cognominada ainda “Terra das Escolas”, da turbulenta, famosa e valorizada rua Campos Sales, atualmente modernizada e diferente daquela de muitos anos que ficaram para trás.
Pois nesta principal rua, que dá acesso a quase todas ramificações de Itapetininga, reside ainda o cidadão Bereck Grajkar, um brasileiro de quatro costados, amante e admirador do solo onde nasceu e onde seus saudosos pais se radicaram nesta mesma Campos Sales, vindos da convulsionada Israel, há muitas décadas. Moshe e sua esposa, adolescentes, suportando longa, tediosa e sofrida viagem de “vapor”, desembarcando do Porto de Santos, desceram do trem da antiga Sorocabana, divisando com esperançosa expectativa a cidade onde se estabeleceriam e se tornaria a concretização de seus sonhos.
Dedicou-se, primeiramente à venda de roupas feitas e calçados, batendo de porta em porta oferecendo seus produtos, por todas ruas e arrabaldes de Itapetininga, ao lado do também imigrante Karnig Bazarian. Foi assim que Moshe Grajkar iniciou sua vitoriosa caminhada no ramo comercial, tornando-se conhecido e admirado por toda população local.
Uma loja de tecidos, armarinhos e miudezas constituiu o primeiro estabelecimento do Moshe – o primeiro e único, na Campos Sales.
Como vizinhos, em casas residenciais, teve entre outros o Cel. Antônio Vieira Sobrinho, político de prestígio da região, Dr. Anibal Teixeira, com consultório médico na mesma via, Roque Albino, o lendário jornaleiro, José Campinho, fundador do jornal Aparecida do Sul e construtor de Horto Religioso, Camilo Lelis e Pacheco, proprietários de livrarias e gráficas, Karnig Bazarian, Aristeu Scott com sapataria e Isaac Ferman.
O primogênito de Moshe, Bereck, hoje quase octogenário, figura como testemunha ocular de todos acontecimentos ocorridos na rua Campos Sales, coadjuvado pelo seu conhecido Roque Guilherme, igualmente morador na mesma via pública. Seu pai, o quase folclórico Moshe, estimado pela população, mantinha a Loja do Povo, onde vendia toda espécie de artigos – tanto masculino como feminino – oferecendo tudo para todos pelo sistema daquela época, anotação das vendas em papel colocados em gancho de razoável altura. “À medida que iam sendo pagos, eram rasgados”.
O estabelecimento foi assiduamente frequentado, quase todos os dias, por gratos amigos, autoridades do setor judiciário, policial, eclesiástico – de qualquer religião -, além da presença de professores, advogados e médicos. “Era uma verdadeira Babel na loja do Moshe, tal quantidade e qualidade daqueles que batiam ponto no local”, lembra o ex – comerciante Osvaldo Piedade, do alto de sua respeitável idade.
Bereck Grajkar, sempre gosta de citar com detalhes os moradores da Campos Sales, suas atividades e os proprietários. Sua amizade estendia-se a todas as categorias sociais da cidade. Praticava com maestria o futebol, em times estudantis e na Associação Atlética, além de se dedicar ao basquete e a natação. Por algum tempo instalou-se com fábrica de blusas, masculina e feminina no Bom Retiro, capital, mas seu amor sempre esteve voltado para a sua Itapetininga e, especialmente, a adorável Campos Sales, onde se encontra até hoje, na mesma área, repetindo sempre a afirmação, que sai do fundo de sua alma: Meu gosto é pertencer a Campos Sales.

Últimas

Cidade tem 25 mortes em sete dias e UTIs estão 100% lotadas

Cidade registra 24 mortes em apenas dez dias

Os primeiros dez dias do mês de junho registram uma marca preocupante, a cidade confirmou 24 mortes em decorrência da Covid-19 e 579 novos casos. Nesta quinta-feira, dia 10, o...

Modelo denuncia racismo em oferta de trabalho

Modelo denuncia racismo em oferta de trabalho

A modelo e estudante de fisioterapia Bruna Campos denunciou uma situação de racismo que sofreu durante uma oferta de trabalho. Ela combinava, pelo whatsapp, detalhes de um trabalho freelancer que...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga