José Gomes da Silva Neto

No artigo da semana passada “Nostálgicos Natais” finalizei homenageando uma das pessoas mais queridas de Itapetininga que foi o professor José Gomes da Silva Neto, conhecido carinhosamente como o Zé Gordo, ou o Zé Corinthiano.
Além da família e amigos Zé Gomes, tinha duas paixões o seu time Corinthians, no qual ele foi presidente aqui em Itapê e o Natal, época em que ele organizava os belíssimos enfeites na Vila Rosa, bairro onde ele residia e que era um ponto turístico na cidade e pessoas que vinham da nossa região.
Mas, ainda há mais para falar desta figura gigante que foi o Zé! Ele tinha o coração do tamanho de um trem, ou melhor de um mega avião. Em tempos sombrios e agoniantes, onde tudo ficou muito superficial, as pessoas na sua maior parte se tornaram imensamente individualistas, egocentristas, egoístas, narcisistas e materialistas, cada um pensando no próprio umbigo, pessoas como ele fazem uma imensa falta.
José Gomes não fazia alguma distinção de raça, credo e classes sociais, seguia os ensinamentos de Cristo, todos somos irmãos e iguais perante Deus. Se comunicava com todos e sempre estava disposto para uma boa proza e um sorriso aberto e generoso que nos transmitia paz e alegria.
Atuou em diversas áreas aqui na cidade, trabalhou no INSS, foi professor na Associação de Ensino de Itapetininga e também trabalhou aqui na nossa prefeitura. Outra grande paixão era o canto, ele tinha uma bela voz de tenor e integrava o antológico e tradicional coral do “Seresteiros” do Divino. Era fã de cantoras fundamentais e cruciais da nossa MPB como Dalva de Oliveira, Ângela Maria, Emilinha Borba e Marlene e dos clássicos Nelson Gonçalves, Cauby Peixoto, Altemar Dutra e claro do trio de tenores Luciano Pavarotti, Plácido Domingos e José Carrera.
Conheço o Zé praticamente desde que nasci, sua irmã Marilene Gomes e o seu cunhado George Matarazzo eram vizinhos da minha saudosa avó Pasquina Basanti e hoje continuam lá na mesma rua, Venâncio Ayres, ao lado do meu tio Ivan. Me tornei muito amigo de seu filho meu contemporâneo, Carlo Gomes, sua filha Andrea a esposa Tereza e sua sobrinha a Patrícia Matarazzo. Fiquei muito triste quando ele nos deixou, pois a nossa amizade era muito forte.
Ele adorava festas e nesta época festiva de Natal e Ano Novo, a falta dele ainda é maior. Principalmente pelo fato de seu aniversário ser no dia 28 de Dezembros e as comemorações de seu aniversário eram deliciosas reunindo muitas pessoas queridas. Se meu amigo José Gomes estivesse vivo estaria completando 79 anos de idade. Mas ele ainda esta vivo, não fisicamente, mas lá no plano superior irradiando suas boas energias para toda a nossa Itapetininga.
Desejo a todos vocês queridos leitores um maravilhoso 2022! Boas energias, bons fluídos e principalmente muitaaaaa saúde!
Até a próxima!

Últimas

Cidade registra nova morte por Covid após dois meses

Semana registra 810 novos casos de Covid

A confirmação de novos casos de COVID-19 segue alta em Itapetininga. Em um semana, foram registrados 810 novos casos da doença. O número de morte por coronavírus na cidade chegou...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga