Mais uma crise

A crise de nossa economia já espalha seus efeitos pela sociedade, atingindo com maior rigor pobres e remediados.
O desemprego, pior chaga social, atinge um crescente número de brasileiros, levando ao desespero famílias inteiras, que vislumbram a falta de recursos para o atendimento até de suas necessidades mais básicas. A antevisão dos problemas da falta de emprego leva multidões a ocupações menos rentáveis, com a consequente precarização dos salários e das próprias relações de trabalho.
Surge, revigorada, a inflação, agravadora das diferenças sociais e matriz da corrosão do poder aquisitivo dos salários. Como o trabalho costuma, em regra, ser fiado, seu valor relativo, após um mês, já está corroído.
A inflação encarece o crédito e afugenta capitais. A inflação, necessariamente projetada para o período seguinte, ganha vida própria, gerando um ciclo vicioso.
Investimentos são postergados, e a demanda de bens duráveis acaba deprimida, gerando nefasta reação em cadeia. O consumo, de alimentos a remédios, sofre queda, e acabam premiados os produtos de baixa qualidade, em contexto onde a regra é buscar o menor preço.
Combustíveis, energia elétrica, pedágios e serviços de água e esgoto sofrem generosos acréscimos, embalados pela recomposição dos preços públicos, em todos os níveis.
Não será desta vez que o mundo irá acabar, e o Brasil, maltratado desde 1.500, continuará vivo, mesmo após algum sofrimento e atraso. Os governos serão forçados (até que enfim !) a gestões mais econômicas, eficientes, responsáveis e éticas.
Até Câmaras de Vereadores, tradicionais, insistentes e por vezes desavergonhadas consumidoras de recursos públicos, acenam com diminuição de subsídios e outras economias, quando forçadas pela justíssima indignação popular.
Embora a crise que se inicia tenha origem e causa no Governo Federal, ela escancara a ineficiente, perdulária e desrespeitosa gestão, que caracteriza nossos estados e municípios. Governar gastando é fácil, gerir com responsabilidade e ética é difícil.
Convém, em contexto de crise, revivermos a fraternidade humana, evitando que o desemprego acarrete tanto sofrimento e penúria àqueles que são vítimas inocentes de nosso descalabro. Cada um, a seu modo e âmbito, pode e deve socorrer o próximo, qualquer que seja a oscilação da Bolsa de Valores, valor do dólar ou desempenho das exportações.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

Filmes para quem gosta de comer… e cozinhar

Filmes para quem gosta de comer… e cozinhar

BAO (2018). O curta-metragem dirigido por Domee Shi fala de amor, e usa comida para representar uma mãe cuidando e acompanhando o crescimento do filho. Tem um viés bastante simbólico,...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga