Mídias e democracia

É comum termos simpatias e antipatias por este ou aquele jornal, revista, rádio, site ou emissora de TV.
A multiplicidade das fontes de informação e entretenimento oxigena a democracia e inibe a unanimidade. É a multiplicidade que permite o aparecimento de novos talentos, e dissemina a cultura de estudiosos e pensadores.
Remando contra a maré, não fazemos coro aos que bradam “abaixo a rede Globo!”, e estranhamos que as demais emissoras não sejam vítimas de ódios semelhantes, embora tenham, como natural, seus altos e baixos.
Tivemos bons momentos postados diante da telinha, inicialmente com desenhos animados, e após com noticiários, programas humorísticos, entrevistas, reportagens especiais e novelas, principalmente as que retrataram imigrações, épocas e lugares. É difícil não gargalhar ao ver as peripécias de Salomé, personagem de Chico Anísio, dialogando com o general presidente, e é impossível deixar de aplaudir as virtudes descobertas pelo Voice Brasil Kids.
Atualmente, a Globonews desponta apresentando uma equipe invejável de comentaristas, debatedores e entrevistadores. Muito perderíamos se atendido o raivoso coro que prega “abaixo a rede Globo!”
Interior afora, autoridades só costumam resolver os problemas da população quando viram manchetes televisadas, e até a destinação de resíduos sólidos é incrementada por órgão da mídia.
Alguns temas podem ser informados com parcialidade, e algumas realidades podem jamais figurar na tela. Podemos discordar de comentaristas ou do trato tendencioso da notícia, mas sempre devem existir alternativas, e elas felizmente existem.
A mídia entretêm e informa, e, salvo quando mantida por grupos partidários ou ideológicos, busca maior audiência e penetração, pois importa a assinantes e anunciantes o prazer da assistência. A propaganda oficial tem o condão de subverter a mídia, premiando notícias e comentários que atendam aos interesses do poder.
Prefeitos reclamam de blogs e jornais eletrônicos não alinhados, mas a mídia alternativa presta inestimáveis serviços à população, tratando de temas locais e impedindo a imposição de versões oficiais.
É republicano conviver com as mais diversas mídias, concordemos ou não com seus estilos. É fascismo e intolerância buscar o aniquilamento da mídia com a qual não concordamos.
Repulsas e contradições devem ser tratadas na Justiça, que assegura o direito de resposta e até de indenização e retratação, além de prisão, nos caos mais graves. É triste ouvirmos, no burburinho de um palácio, o coro primitivo de “abaixo a rede Globo!”.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga