Miséria Mundial

Aquele antigo ditado de que os países são soberanos parece estar com os dias contados.
A soberania sempre foi maculada, por interesses econômicos, ideológicos e estratégicos, mas rumamos a um futuro em que, cedo ou tarde, a dignidade humana acabará justificando intervenções externas, bélicas ou solidárias.
A tragédia dos imigrantes, que fogem da miséria, fome e violência, está incomodando e preocupando todos os países do mundo. O direito à vida é brandido, como passaporte e visto de entrada em qualquer povoado humano, próximo ou distante.
O tema importa a todos, e é impossível desconsiderá-lo. A Itália, sozinha, não tem condições de absorver os milhares de imigrantes que chegam a seu território, vindo do norte da África.
A Europa tenta distribuir os esforços para salvar e acomodar os imigrantes. No Brasil, o Acre também não possui estrutura para receber os milhares de fugitivos que ali aportam, e começa a exportá-los a outros estados.
Enquanto tardam os entendimentos entre nossos governantes, cuidam as igrejas de garantir o mínimo de conforto dos necessitados estrangeiros.
A opinião pública, ainda à boca pequena, não vê com bons olhos a vinda de imigrantes. Teme a concorrência por empregos e serviços públicos, de que somos carentes. Alguns condenam as boas vindas por puro preconceito e falta de solidariedade.
A terra anda repleta de ditadores violentos e regimes espúrios. Hordas organizadas retomam barbáries como a degola de não militantes e destruição de livros, estátuas e edificações que lembram a história e preservam a cultura.
Quando a miséria não é oriunda da ação de governantes, é a natureza que cuida de distribuir terremotos, vulcões, tsunamis e outros eventos arrasadores.
Entre os europeus, cresce a ideia de que a melhor solução, talvez a mais barata e saneadora, seria a reconstrução dos países de origem dos imigrantes, o que, na maioria dos casos, envolve a derrubada de governos que geram misérias e sofrimentos. Na verdade, trata-se de interferência na soberania alheia, seja bandido ou mocinho.
A miséria e o sofrimento alheio já não ficam confinadas aos restritos limites geográficos, e a humanidade não será feliz enquanto houver um grupo humano subjugado, maltratado ou escravizado.
Talvez surja, da atual situação, uma nova ordem mundial, mais fiel às tão descumpridas declarações internacionais de direitos humanos. Se ainda não conseguimos sequer obrigar os países a não poluir o ambiente, sacrificando bilhões de pessoas, as esperanças de que obriguem o respeito à condição humana são mínimas.

Últimas

CORREIO POLÍTICO 1012

CORREIO POLÍTICO 1012

Presidente Lula na região Na próxima terça-feira, dia 23, o presidente Lula estará na nossa região, em visita ao Campus Universitário Lagoa do Sino, da Universidade Federal de São Carlos...

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Nos últimos oito anos, a expansão dos cursos gratuitos de graduação da Fatec e do IFSP foi paralisada em Itapetininga. No período, ex-prefeita Simone Marquetto (MDB), que governou a cidade...

Justiça Eleitoral paulista fará transmissão de boletins de urna por satélite nas Eleições 2022

TSE divide R$ 4,9 bi a 29 partidos políticos

Com R$ 4,9 bilhões, o Fundo Especial de Campanha já tem o destino certo dos valores para cada partido político no Brasil. Como já era projetado, o PL e o...

Instalação de curso  de Medicina é marco

Instalação de curso de Medicina é marco

A educação de nível superior registrou um forte avanço na gestão Simone Marquetto com a abertura do curso de Medicina do campus da Universidade São Caetano do Sul (USCS). A...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.