Morrer sem mistério

Morrer é complicado.
A maioria das pessoas não teme a morte, mas teme a maneira de morrer. É sonho universal morrer dormindo, sem sofrimentos.
No Brasil, milhões de órgãos deixam de ser transplantados, diariamente. Existem mais doadores que doações, pois não raro a família nega a vontade do cidadão, e são poucas as estruturas públicas disponíveis.
Doadores nem sempre manifestam a vontade de doar todos os órgãos. Dependendo do órgão, o cidadão teme que, além de falecer, acabe mal falado.
Viúvas e agregadas evitam anuir ao transplante daquele órgão, pelo temor de continuarem traídas, mesmo após o passamento. Por ser personalíssimo, tal transplante raramente é praticado.
Finados e familiares apresentam crescente interesse e simpatia por cremações. É comum aos finados, em vida, a vontade de ser cremado, junto com seus credores e desafetos.
As cremações estão presentes em poucos municípios, e padarias costumam não fazer tal serviço. A cremação é tendência mundial, e vem sendo cada vez mais praticada.
Deve ser horrível, ao quase finado, imaginar que a família ficará refém do monopólio exercido por funerária, na esmagadora maioria dos municípios brasileiros. Até vivos com baixo risco de morte ficam indignados com a vedação de concorrência, no setor.
Existem finados que prescrevem, em vida, o roteiro dos velórios e enterros. A maioria prefere a cerimônia familiar, sem discursos e regabofe.
Já são raras as carpideiras, portadoras de escandalosos choros e chiliques, regiamente remunerados. Os velórios ainda constituem palco de fechamento de negócios, e início das cobranças à viúva, por dívidas havidas ou inventadas.
Em boa hora, os velórios deixaram os domicílios e são, hoje, realizados em estruturas especializadas, públicas ou privadas. Nos velórios em casa, fica a impressão, na vizinhança, de que o finado parte mas o espírito permanece, preso, na sala.
O lado triste da morte surge quando causada por acidentes, crimes ou hábitos nefastos. A morte natural, por idade ou doença incurável, é mais aceita, quando filhos enterram pais, ordem natural da ocorrência.
O correto seria nascermos com 90 anos, já lentos e alquebrados, e seguirmos vida afora rejuvenescendo, até perdermos a noção de tudo. O difícil vai ser perder a aposentadoria, aos 65 anos!

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga