Morrer, sorrindo

A vida é um ciclo.
Começa com o nascimento e termina, sempre, com a morte. Salvo um grande número de casos, a morte é vista com tristeza e algum inconformismo.

Houve um passado, de triste memória, em que os velórios eram realizados no domicílio. A cena era trágica, vez ou outra animada pela presença de mais de uma viúva.

Velórios existiam que eram verdadeiros regabofes, com direito a salgados, doces, chás e cafés. O ambiente era propício à realização de pequenos negócios, e as dívidas do finado eram sempre lembradas, ainda que inexistentes.

As conversas mais ouvidas davam conta das virtudes do falecido, mesmo quando raras. Todos parecemos um pouco melhores, após a morte.

É preciso uma altíssima dose de irrealismo, para crer que a morte iguala as pessoas. Pobres costumam ter vida mais breve, e despedidas mais sofridas.

O progresso humano tem, como regra, o contínuo alongamento da vida. Há poucas décadas, ultrapassar a barreira dos sessenta anos era uma peripécia, a poucos permitida, e hoje são comuns pessoas com mais de noventa anos.

Os emocionados esforços da família, para preservar a memória e imagem do falecido, começa por talheres, passando por joias e objetos de arte, até atingir a seara judicial, com imóveis, veículos e créditos em geral.

As aposentadorias tendem a atrair cada vez menos a atenção dos herdeiros, desprestigiadas por uma ou outra reforma. Filhas solteiras, emocionadas, juram solteirice eterna, em pleno velório.

As mortes têm reflexos negativos em toda a família. Cessa a tomada de empréstimos consignados, em nome do falecido, e diminui o número de pessoas aptas a assumirem multas de trânsito de terceiros.

A solidariedade humana surge como em passe de mágica, mesmo quando a viúva não apresenta dotes esculturais ou grande cultura. Documentadamente triste e desinteressada costuma ser a reação dos animais domésticos cuidados pelo finado.

A cremação vem substituindo a construção de grandes e suntuosos jazigos, e diminuem a cada dia os espaços disponíveis em cemitérios. Jazigos modernos são edificados com muitas estantes, alojando gerações.

A morte é o destino natural da vida, e costuma documentar a verdadeira crença dos que ficam. É comum o desespero e inconformismo, em muitos que dizem acreditar que o finado partiu para reencontros históricos, vida eterna ou céu.

Nesta quarta-feira gelada, com absoluta falta de assunto, veio a morte, logo ela, salvar o artigo da semana, que julgávamos natimorto.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga