Na praça da “Aparecida”, o grande salão da passagem de ano

“Nessa praça, outrora, ribombaram sinos”. A frase foi proferida na ocasião em que um expectador atentamente viu a reportagem sobre a praça da Aparecida, apresentada pela TV TEM, e que mostrou, praticamente toda a história do local. O logradouro, pode-se afirmar, tem quase a mesma idade da construção da Igreja Nossa Senhora Aparecida. Tudo começou quando o tropeiro Campinhos conduzia sua tropa levando mercadorias para vender, foi surpreendido por uma grande tempestade. Muito crente a Deus, o tropeiro, apavorado, prometeu, com toda convicção religiosa, que, se, logo viesse a bonança ele construiria uma capela em louvor à Nossa Senhora Aparecida.

Segundo consta, daí nasceu a atual paróquia, uma das mais desenvolvidas do município e que conta a seu favor com a tradicional festa, realizada anualmente, reunindo milhares de devotos que comemoravam com enorme fé cristã a Santa, “o amor dos brasileiros”. Com seu indefectível coreto, hoje desaparecido, o largo, de dimensões satisfatórias para todas as atividades, reverberava, principalmente nos finais de ano, quando ocorria o ápice da festa. Sucedia então a entrada de um novo ano, em meio à alegria indescritível da enorme multidão.
Considerada na época como o espaço para o “Réveillon”, durante mais de cem anos ela foi a principal atração dos Réveillons dos itapetininganos, toda a população, das variadas categorias sociais, dirigia-se àquele local, aguardando a esperançosa “virada do ano”, com expectativa das mais esfuziantes. Famílias locais patrocinavam e atendiam barracas contendo mil espécies de iguarias, além de outras que ofereciam divertimentos dos mais atraentes. Não pagavam um centavo de aluguel da área que ocupavam e toda renda obtida era destinada à igreja, para sua finalidade assistencial.

Banda musical, a cargo do saudoso maestro Durvalino Costa e Silva, serviço de alto-falantes, caminhões de frutas, tendas que ofertavam bolinhos de frango, pastéis, arroz doce, tudo feito artesanalmente, constituíam a alegria do povo que lá se acotovelava, numa “verdadeira mescla que igualava a todos, sem qualquer repulsa”, conforme lembrou o advogado Washington Luís Ramos, o “Tonzinho”, que “jamais deixou de passar o ano na Aparecida”, mesmo quando trabalhava na capital paulista.

Na praça existiam muitos barracões que serviam como restaurantes, durante os festejos de Nossa Senhora Aparecida e Nossa Senhora do Carmo – esta realizada no mês de julho e patrocinada pelos ferroviários da antiga Sorocabana. Funcionava também, a EE Modesto Tavares de Lima, enquanto se aguardava a conclusão do prédio próprio, e também sediou, por longo tempo, o Tiro de Guerra local. Como outros locais congêneres do município, na praça da Aparecida ocorriam constantemente os deliciosos namoros, iniciados às vezes sem consequência, mas geralmente coroados com a “sacramentação” do casamento. Curiosamente, esses casamentos eram realizados na própria capela, que foi demolida na década de setenta, época em que havia sido concluída a nova igreja, hoje abrigando a paróquia do mesmo nome, segundo o historiador Nogueira.

O ex-vereador Geraldo Franco revelou que um projeto do ex-prefeito Walter Cury, administrando o município na década de setenta, previa a conservação da velha igrejinha, inteiramente reformada e, em seu entorno, um lago iluminado, destacando a imagem grandiosa de Nossa Senhora Aparecida refletindo para toda a Itapetininga. O prefeito seguinte, por razões ignotas não deu sequência àquele empreendimento.

Neste último Réveillon, mais uma vez, a tradicional festa de final de ano não foi realizada no Horto Religioso, na Praça da Aparecida. Local que sempre ensejou a aproximação intensa de pessoas, aumentando relações de amizade, criando outras e permitindo realizar essa necessidade espiritual do homem, que é a sociabilidade.

Últimas

Correio Político 1002

Correio Político 1002

Tabata Amaral Um importante projeto para criar um protótipo de uma cadeira de rodas movida apenas pelos movimentos da cabeça, está sendo desenvolvido no Campus de Itapetininga do Instituto Federal...

Rita de Cássia Moraes Leonel

Itapetininga perde Alceu Nanini

Esta semana faleceu o empresário Alceu Nanini. Católico fervoroso, teve uma vida exemplar dedicada a ajudar o próximo. Pessoa muito querida na cidade, Alceu foi vice-prefeito e vereador. Uma grande...

Rita de Cássia Moraes Leonel

O Pint of Science Itapetininga foi um sucesso

A avaliação de Cassiano Terra Rodrigues , organizador do evento , é que o Pint of Science Itapetininga 2024 foi um sucesso, com  participação intensa , diversificada e altamente gratificante....

Rita de Cássia Moraes Leonel

O impacto das chuvas do RS no agronegócio brasileiro

Por Maria Clara Ferrari - graduada em Engenharia Agronômica pela Escola Superior de Agronomia de Paraguaçu Paulista em 1980, Latu Sensu em Gestão Agroindustrial pela Universidade Federal de Lavras. Experiência...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.