Na quarta-feira o encontro da ararinha

Os jornais noticiaram e a poderosa TV-Tem mostrou a todos telespectadores da região a captura de uma ave rara, pousada no galho de uma árvore na Praça dos 3 Poderes.
Espetáculo empolgante, sensível e atraente quando populares (especialmente funcionários da Câmara Municipal) salvavam o resplendoroso pássaro e que contou, posteriormente, com a ajuda dos guardas municipais e dos bombeiros locais e aplausos da pequena multidão ali reunida, que assistia a nobre missão.
Ararinha azul cujo destino era desconhecido, integra uma espécie rara e quase em extinção e natural do folclórico Estado da Bahia. Quem muito conhecia a história da ararinha, com todos os pormenores, era nada mais nada menos que o saudoso e estimado agrônomo Ralf Soares Melges de Andrade, ornitólogo capacitado e amante incondicional das pequenas aves. Assim como ele, dedicava-se aos pássaros o geólogo Michel Aboarrage que se entregou com carinho, vários anos, no tratamento e cultivo de aves comuns ou exóticas, inclusive, estudioso do assunto. E sem falar também em Clóvis Soares, professor amante das aves em geral.
Atualmente essas ararinhas azuis são consideradas as mais raras do planeta, fazendo parte da família dos papagaios e periquitos. Foi identificado pela primeira vez em 1819, na região de Juazeiro, Bahia, em plena caatinga. Mede algo de 57 centímetros, sendo a cauda maior e as asas mais longas e estreitas.
A espécie ganhou notoriedade internacional com a aparição do filme “Rio” do cinema norte americano, exibido há pouco na sala do Shopping local.
O declínio da espécie é atribuído a uma série de fatores, sobretudo captura e contrabando, além da caça, degradação da caatinga, das matas e até a construção da barragem de Sobradinho. Tudo contribuiu para o total desaparecimento da ararinha. Segundo estimativas de técnicos em ambiente, ela custaria até 100 mil euros no mercado paralelo.
A população é catalogada atualmente em 92 ararinhas azuis no mundo todo, vivendo em cativeiro. A maioria fica em uma fazenda do xeque árabe Saud Bem Muahmmed, no Qatar, que morreu em novembro do ano passado. A fazenda foi visitada este ano por Ugo Vercílio, coordenador de espécies ameaçadas do Instituto Chico Mendes, órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente e responsável pelo programa Ararinha na Natureza.
Logo após a morte do xeque Muahmmed , o governo brasileiro se colocou à disposição da família para realizar o sonho do xeque de ver as ararinhas vivendo normalmente em seu habitat. O plano, agora, é aguardar algumas semanas e neste mês ainda (fevereiro) enviar representante a Qatar para articular a repatriação de algumas aves.
O que se pretende é trazer alguns exemplares da coleção deles para o Brasil com o intuito de termos mais animais por aqui afirma alto funcionário do Ministério do Meio Ambiente. Se atingindo a meta de reintrodução, a ararinha azul voltará à caatinga brasileira, depois de quase 40 anos. Apesar desse tempo fora de casa, ela ainda poderá valer-se de uma dica antiga, dada por Chico Buarque de Holanda, na canção “Passaredo”: Bico calado, muito cuidado, que o homem vem aí”. Enquanto isso, nossa ararinha, depois de resgatada da árvore, encontra-se sob a proteção da unidade da Polícia Ambiental desta cidade.

Últimas

CORREIO POLÍTICO 1012

CORREIO POLÍTICO 1012

Presidente Lula na região Na próxima terça-feira, dia 23, o presidente Lula estará na nossa região, em visita ao Campus Universitário Lagoa do Sino, da Universidade Federal de São Carlos...

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Nos últimos oito anos, a expansão dos cursos gratuitos de graduação da Fatec e do IFSP foi paralisada em Itapetininga. No período, ex-prefeita Simone Marquetto (MDB), que governou a cidade...

Justiça Eleitoral paulista fará transmissão de boletins de urna por satélite nas Eleições 2022

TSE divide R$ 4,9 bi a 29 partidos políticos

Com R$ 4,9 bilhões, o Fundo Especial de Campanha já tem o destino certo dos valores para cada partido político no Brasil. Como já era projetado, o PL e o...

Instalação de curso  de Medicina é marco

Instalação de curso de Medicina é marco

A educação de nível superior registrou um forte avanço na gestão Simone Marquetto com a abertura do curso de Medicina do campus da Universidade São Caetano do Sul (USCS). A...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.