O carteado que imperava em salas da cidade

Conta-se – e por muitas pessoas – que em determinada ocasião apareceu em Itapetininga um cidadão de origem libanesa à procura de conhecidos seus a fim de que eles o auxiliassem com dinheiro, a ser destinado para exéquias do irmão falecido em São Paulo. Lenda ou não, o certo é que havia há décadas duas famílias provindas da capital paulista radicadas na cidade, residindo na rua José Bonifácio, próximo à sede da Associação Comercial. Dois irmãos, idade madura, bem vestidos, elegantes e atraentes; muito bem penteados e exalando fragrância dos melhores perfumes, se integraram a comunidade local e, sócios do clube Venâncio Ayres, formavam mesa com outros parceiros para o jogo de baralho.
Viviam praticamente à custa do carteado. Hoje, alguns lembram que os irmãos Libaneses durante anos “ganhavam todas as partidas conseguindo amealhar vultuosa quantia”. Como ninguém mais queria enfrentar os “turcos”, eles decidiram deixar a cidade.
Foi época em que, naturalmente, com a ausência de televisão, internet, celulares sofisticados ou outros entretenimentos, os jogos se constituíam em lazer e terapia, reunindo centenas de pessoas nos clubes da cidade, como Venâncio, Recreativo, Sociedade Italiana, Associação Atlética, 13 de maio, Aparecida FC, CASI, São Paulinho e Tração Club. Pessoas das mais diversas categorias sociais, à noite, ou mesmo em pleno dia, dedicavam-se a jogar não só o pôquer, como canastra, buraco, biriba, Pif-Paf, bridge, bacará, ronda, paciência e o famoso Truco, não só nas salas dos clubes, como em residências particulares ou em reservados de bares. Do Truco, ainda ressoam os gritos do saudoso Calil Yared na rua José Bonifácio, em salão pertencente ao Recreativo, gritando em voz altissonante quando “tinha em mãos boas cartas para vencer”. Tomou-se o mais popular dos jogos de carta.
Os sinais dados à socapa, as pilhérias e bravatas até mesmo o tumulto e os gritos estridentes constituíam a pragmática do jogo. Enquanto em outras entidades os jogos eram balizados em apostas baixas, no “Venâncio”, com quinze mesas, situadas próximas a entrada principal, o jogo sinalizava-se por altas apostas, com a presença de jogadores de outros municípios e da capital paulista. Consta que Caio Dias Batista, então Secretário Estadual de Transportes, quando viajava de trem em inspeção no trecho da Sorocabana, quando passava por Itapetininga mandava parar a locomotiva, dirigindo-se ao Venâncio para jogar e só prosseguia viagem ao termino das partidas que disputava.
Relata um velho jogador, que não quis se identificar, que o carteado “proporcionou algumas fortunas na cidade e arruinou muitas pessoas”, acrescentando que na década de 1940, o Clube tinha uma arrecadação bem maior que a Prefeitura da época e as “fichas eram moedas correntes, aceitas por qualquer estabelecimento comercial”.
Apesar de disputas acirradas e mesmo tensas, não havia qualquer espécie de desentendimento entre os litigantes, “reinando sempre um clima de tranquilidade e cordialidade”, como afirma uma testemunha da época. Ele não esquece de todas as noites, depois das 22 horas, o jornaleiro Roque Albino carregando periódicos diários de São Paulo e Rio de Janeiro, adentrava a sala de jogos e vendia os jornais, “O Estado de São Paulo”, “Diário de São Paulo”, Jornal do Brasil, o “Globo” e o “Jornal”, todos do Rio de Janeiro, aos que se encontravam presentes. Havia os cacifeiros Edmur, Moucachen, Miguel Nogueira, Jonas, José Pedro, Paulino de Lima, Ary Codorna, Chico Terra, Lélo, Jurandir Justino, Lauro e outros, que zelavam pelos jogadores, atendendo-os nos mínimos pedidos.
Nos clubes formavam-se grupos de admiradores do carteado, destacando-se Benedito Tambelli, Plínio Ribeiro, Olímpio Mariano, Paulo Ozi, Enrico Aires Martins, Humberto Pellegrini, José de Angeli, Alexandre Chauar, Said José, Floriano e Benjamin de Paula Ferreira, Bimbo, Schaim Chatan, Nelson Ferraz, Juraci Galvão, Fernando Prestes destacando-se algumas mulheres que reuniam-se alternadamente em suas residências “divertindo-se com as cartas”.

Últimas

Semana registra 44 novos casos de Covid-19

HLOB tem queda nas cirurgias eletivas em 2024

O Hospital Doutor Léo Orsi Bernardes (HLOB) registrou uma queda no número de cirurgias eletivas realizadas em 2024, comparado ao ano anterior. Segundo a assessoria de imprensa do HLOB, no...

Vendas do Dia das Mães aquece comércio

Vendas do Dia das Mães aquece comércio

Neste domingo, dia 12 de maio, é celebrado o Dia das Mães, em vários países e é uma ocasião para homenagear as mães e outros cuidadores que desempenham um papel...

Correio Político 1001

Correio Político 1001

Novo Presidente do Clube Venâncio Numa eleição muito disputada, com a presença de 625 sócios votando, Décio Araújo venceu por 19 votos Mário Genaro, atual presidente e candidato a reeleição....

Jardim Bela Vista recebe mutirão contra dengue neste final de semana

Cidade registra 272 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga enfrenta um aumento de casos de Dengue, registrando 272 novas infecções em apenas uma semana. No total, já foram confirmados 2.688 casos na cidade, além de dois casos de...

Saúde Mental é tema de debate na Câmara Municipal

Saúde Mental é tema de debate na Câmara Municipal

Nesta segunda-feira (06/05) esteve na Tribuna Livre da Câmara Municipal de Itapetininga a psicóloga Cássia Matarazzo, especialista em Recursos Humanos, pesquisadora sobre saúde mental e suicidologia. A psicóloga levantou a...

Itapetininga abre inscrições para Cursos de Costura

Itapetininga abre inscrições para Cursos de Costura

Qualificação é o caminho mais rápido para obter trabalho e melhor rendimento mensal. Assim, o Fundo Social de Solidariedade de Itapetininga está com inscrições abertas até o dia 10 de...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.