O circo chegou

Atualmente quando os circos (e são tão raros!) se instalam nessa cidade tudo continua na normalidade. O que era uma novidade hoje é tão banal. Entre tanto nem sempre foi assim. Nas décadas de 1940 e 1950, principalmente, a chegada da grande atração geralmente num grande terreno onde (hoje) está instalado o prédio do INSS e Secretaria Estadual da Agricultura proporcionava um certo reboliço na comunidade. Antes da estreia muita gente ia ver a grande lona que levantava – se para proteger aquele espaço que por alguns dias e as vezes semanas iria se constituir num palco mágico e iluminado para a satisfação de todas as espécies de gente: crianças, jovens e adultos de diferentes classes sociais.

Naquelas décadas o cinema era a diversão máxima nesta urbe (já que a retransmissão televisiva surgiu apenas em 1963). Mas o circo não ficava muito atrás e fazia barulho quando chegava aqui. Os maiores circos faziam questão de desfilar para o povo e o trajeto era sempre a rua Campos Salles já que não atrapalhavam o trânsito pois naquelas épocas haviam poucos carros todos importados e nada barato pois a indústria automobilística brasileira começou apenas em 1957, no governo JK.

Lembro, ainda garoto da chegada de um circo famoso, o “Continental”, que diziam ser de procedência mexicana e aterrissou aqui em 1951 (ou 1952?). Só sei que fui com a minha mãe e fiquei encantado com o que vi. O “Continental” era enorme havia brilho, muito brilho, muita iluminação, colorido, bailarinas de “Maillot” (maiô inteiro), moça de sombrinha no arame, os mágicos, os palhaços (logico!) os trapezistas (com rede, que “ninguém é de ferro”, nem naquela época), o globo da morte (puxa!), as feras africanas (elefantes, tigres, leões, novíssimos) o apresentador ou apresentadora com indumentárias dourados, uma orquestra com mais de vinte músicos (não era “play – back”), que tocavam rumbas, aquelas maravilhosas lançadas pelo compositor cubano Ernesto Lecuana. Para mim, tudo aquilo parecia Hollywood.

E aqueles (circos) menores pobrezinhos com lonas remendadas, que, na Semana Santa, encenavam Paixão de Cristo e soltavam rojões no momento da ressureição do Nazareno.

Em todos, os palhaços com os narizes vermelhos, bem vermelhos, alegres e estabanados. Só que, com o tempo, a figura deles ficou banal e generalizada. Ultimamente o nariz vermelho do “clown” começou a fazer parte de todos nós, infelizmente. Começou sim.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

Filmes para quem gosta de comer… e cozinhar

Filmes para quem gosta de comer… e cozinhar

BAO (2018). O curta-metragem dirigido por Domee Shi fala de amor, e usa comida para representar uma mãe cuidando e acompanhando o crescimento do filho. Tem um viés bastante simbólico,...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga