Os criadores da elegância em itapetininga

Grande era a classe de profissionais responsável pelo porte elegante do itapetiningano em tempos de outrora.
Foi na época que as pessoas qualificadas como “das mais importantes” ou de gosto apurado eram observadas e comentadas nas ruas da cidade, com surpreendente admiração. Eram comerciantes, empresários, industriais, professores, médicos, advogados e outros, vestiam-se impecavelmente. Não só em dias comuns, como em festas ou eventos variados, assim como se sobressaiam em trânsito pelas vias públicas.
Constituíam-se o que se considerava o suprassumo da elegância, desfilando aos olhos de todos, com garbo e “charme”, como se apregoava pelos habitantes locais.
Os responsáveis peço belo cenário “alegre e saudável para os olhos” eram os simpáticos alfaiates, exímios e criadores, artistas da tesoura, que sentiam-se orgulhosos em confeccionar, artisticamente, ternos do mais alto padrão e qualidade. Tudo em tecidos de primeira categoria – algodão, lã, linho. Tudo obedecendo e atendendo as recentes modas surgidas nas famosas metrópoles.
Dentre tantos cavalheiros de gosto apurado nos trajes usados – e sempre renovados- destacavam-se os probos e ilustres cidadãos, como Hermes quarentei, Godofredo Belfort, Asthor Barth, Jair Barth, Arnaldo Barreti, Jango Mendes, Rodolfo Miranda Leonel, Fernando Rios, Aníbal Teixeira e seu filho Sérgio, os irmãos Tambelli, Geraldo Martins de Mello, Francisco Fabiano Alves, Gumercindo e Paulo Soares Hungria, enfim… grande parte da população.
Eram pessoas com fineza o vestir e distinção …até no caminhar.
Pode-se afirmar que os responsáveis pelo trajar atraente desses itapetininganos recaia nos magos alfaiates desta localidade e que não eram poucos. Edil Lisboa, Reinaldo Ambrósio, irmão Gimenez, Santos –também presidente da associação Atlética – Ginez, Gabriel Zaidan, Benjamin Perllof, Manolo Martins – um entusiasta pela classe – Joaquim Pinto (Carioca), Agenor, Aleixo, Climinácio, Toco. Profissionais que se dedicavam com amor e arte ao ofício.
Com o surgimento gradativo das grandes lojas – comercializando terno e outros acessórios masculinos, as alfaiatarias desapareceram e, atualmente nada restou daqueles estabelecimentos e, consta, restou apenas o Edmur, na rua Quintino Bocaiuva, que se dedica ao ofício.
Neste 06 de setembro, comemora-se o “Dia do Alfaiate”, data em que os profissionais, em décadas passadas, comemoravam entusiasticamente com extensa programação: Missa na Catedral ou Igreja do Rosário, almoço nos hotéis Vitória ou São Paulo, partida de futebol e grande baile de gala, realizado no Clube Venâncio Ayres ou Recreativo, sempre contando com a presença de autoridades. Hoje, deste dia restaram apenas saudades.

Últimas

Pessoas de 57 anos ou mais serão vacinadas hoje

Prefeitura divulga novo cronograma de vacinação

TERÇA-FEIRA – 03 DE AGOSTO 1ª DOSE 24 ANOS OU MAIS – Pessoas sem comorbidades (Drive-thru e a pé nos dois pontos de vacinação) Atende Fácil da Prefeitura e Ginásio...

Isabelly vibra com sucesso das “minas” no skate

Isabelly vibra com sucesso das “minas” no skate

A skatista itapetiningana Isabelly Ávila, de apenas 16 anos, por pouco não se classificou para as Olímpiadas de Tóquio, mas mesmo de longe, segue torcendo pelos atletas estreantes da modalidade...

HLOB está com 100% de ocupação nos leitos para Covid

Hospital de Campanha e UTI do HLOB estão100% ocupadas

A UTI Respiratória do Hospital Léo Orsi Bernardes (HLOB) e o Hospital de Campanha Interno estão 100% ocupados. Preparada para receber pacientes infectados com a Covid-19, a UTI recebe pacientes...

Bolsa Família injeta R$ 5,37 milhões na economia

Bolsa Família injeta R$ 5,37 milhões na economia

Itapetininga recebeu no primeiro semestre, por meio de repasse do Programa Bolsa Família cerca de R$ 5,37 milhões. A informação é do portal de transparência do Governo Federal. Este valor...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga