Os Poliglotas

Depois da ressurreição de Cristo, cinquenta dias depois para ser mais exato, desceu o Espírito Santo. Foi o dia de Pentecostes. Desceu de repente do Céu, morada do Altíssimo, e veio num vento impetuoso e encheu toda casa. ( Atos 2) A residência estava cheia de pessoas, porém todas estavam assentadas. Não faziam nada. Não havia no coração amor, fervor e iluminação. O medo dominava o coração de cada um.
Apareceram, distribuidas entre eles, línguas, como de fogo e pousou uma sobre cada um deles. Língua para falar com fervor e fogo para amar e iluminar.
O vate português, Luís Vaz de Camões, num soneto, definindo o amor, disse: “Amor é fogo que arde sem se ver”. Se o amor terreno é invisível, o amor divino é manifestado pelo perdão, pela caridade e pela misericórdia. Jesus é a manifestção do amor. João, o secretário do coração de Cristo, confirma a nossa palavra, nestes termos: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho Unigênito para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16)
Diz o historiador das obras do Espírito Santo que todos, no dia de Pentecostes, passaram a falar em outras línguas sobre as grandezas de Deus. Cumpria-se a profecia de Cristo e a de Joel. Língua para falar, fogo para amar e iluminar. ( Joel 2:28 e Atos 1:4)
Como a língua de fogo pousou na cabeça de cada um, a mente que estava embotada, foi despertada para falar em outras línguas. Passaram a dizer na língua dos medos e persas que Jesus é o único salvador. Na língua dos elamitas que Cristo é o único mediador entre Deus e os homens. Na língua dos romanos, que Jesus é a pedra fundamental e principal da igreja. (Atos 4:8)
Como a língua era de fogo, houve um despertamento para demonstrar o amor que era invisível, abstrato e infrutífero. Começaram a amar o próximo, porque chegaram à conclusão lógica que Deus é amor. Passaram a viver juntos e unidos e tinham tudo em comum. O beijo tornou-se em ósculo santo e cumprimentavam-se, uma vez que a comunicação se tornou num sacrifício a Deus.Viam uns aos outros na comunidade, na rua, na cidade. Ninguém virava mais o rosto, como se não enxergasse o seu próximo.
Como a língua era de fogo, o invisível passou a ser visto e entendido. Passaram a entender a Palavra de Deus e, os pontos difíceis das Escrituras, tornaram-se fáceis. Não havia mais aquele blá, blá,blá na igreja, porém as perguntas passaram a ser inteligíveis e tinham um único objetivo: glorificar a Deus e aumentar o número de redimidos. Os discípulos tornaram-se poliglotas para honra e glória de Deus. Bendita seja a vinda do Espírito Santo.

Últimas

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

Um ofício da OAB de Itapetininga enviado para autoridades indica provável operação irregular das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) alimentadas pelas represas no curso do rio Turvo em Pilar do Sul....

Cidade registra 300 casos de Covid na semana

Casos de Covid desaceleram, mas UTI segue 70% ocupada

Itapetininga está há duas semanas sem registrar mortes em decorrência da Covid-19. O registro de novos casos também desacelerou, em uma semana foram confirmados 69 novos casos, uma média aproximada...

Escola Peixoto Gomide comemora 127 anos

Projeto “Falar é Bom” realiza palestras para jovens

O Projeto “Falar é Bom”, ação da Prefeitura de Itapetininga coordenada pela Secretaria Municipal de Promoção Social, retoma suas atividades presenciais, seguindo todas as medidas sanitárias, com foco no “Setembro...

Logística é aliada essencial do e-commerce

Logística é aliada essencial do e-commerce

O e-commerce é um setor que vem crescendo no Brasil e no mundo, principalmente em razão da pandemia de Covid-19, que impossibilitou a compra de produtos de forma presencial. Para...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga