“Para Ser Pátria Amada, Não Pode Ser Armada! “

Na minha opinião, talvez a de muitos, a frase acima, título deste artigo, proferida pelo arcebispo de Aparecida, Dom Orlando Brandes, durante a missa deste 12 de outubro no Santuário de Aparecida, em homenagem a Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, foi a mais impactante de 2021 até o momento, a mais emblemática, a mais direta ao governo Bolsonaro e aos apoiadores da extrema direita. Ela ganha ainda mais força quando é exclamada pela alta hierarquia da igreja católica, que neste caso é o arcebispo do Santuário de Aparecida.
No já histórico sermão do dia 12 de outubro de 2021, o arcebispo Dom Orlando, também disse em alto e “bom tom”. Para ser pátria amada, uma república sem mentira e sem fake news. Pátria amada sem corrupção. E pátria amada com fraternidade. Todos irmãos construindo a grande família brasileira”,
No mesmo sermão o arcebispo Brandes lamentou as mais de 600 mil mortes por Covid e defendeu a vacina e a ciência – ao longo da pandemia, Bolsonaro defendeu medicamentos comprovadamente ineficazes contra a doença e questionou a eficácia das vacinas.
E fez um encerramento emocionado e emocionante: “Mãe Aparecida, muito obrigado porque na pandemia a senhora foi consoladora, conselheira, mestra, companheira e guia do povo brasileiro que hoje te agradece de coração porque vacina sim, ciência sim e Nossa Senhora Aparecida junto salvando o povo brasileiro.”
Logo após a missa chega a Aparecida o presidente Jair Bolsonaro, que é “terrivelmente evangélico” como o próprio sempre gosta de enfatizar. A ida ao Santuário no dia da Padroeira é uma estratégica política, não só para o atual presidente, mas para todos que já ocuparam o cargo. Participar das atividades do dia de Nossa Senhora Aparecida “in loco” é um imenso “palanque”, seja ele devoto da santa ou não. Bolsonaro foi recebido aos gritos de “mito” de aplausos, mas também de muitas vaias, várias pessoas o chamaram de assassino e genocida. Você pode verificar pelas imagens a expressão de raiva e de revolta do presidente, não de constrangimento, pois ele não tem empatia alguma.
A igreja católica sempre teve uma participação importantíssima e crucial em defesa da nossa democracia, principalmente nos períodos de chumbo da ditadura militar (1964/1985), que foi o TERROR NO PODER. Época que em diversos padres, frades e freis foram brutalmente torturados e assassinados pelo regime.
Foi nesta conjuntura que a Igreja católica assumiu um papel de destaque na luta contra a repressão e a tortura e na defesa dos direitos humanos, transformando-se na mais importante instituição de oposição à ditadura militar. Dois fatores ajudam a compreender a postura da Igreja Católica: as mudanças nas diretrizes pastorais e teológicas; e a ordem política e social estabelecida pelos militares após 1964.
Pode se constatar que a Igreja Católica continua firme e forte em defesa da nossa democracia que anda tão fragilizada. Espera-se também que as mentes de católicos que ainda apoiam a truculência do atual governo sejam iluminadas e mudem seus conceitos. Até a próxima!

Últimas

Peça “Os malandros” estreia nesta segunda-feira

Espetáculos teatrais retornam com sucesso

Nesse final de semana, dois grupos teatrais da cidade estarão em cartaz. No Jardim Marabá, o auditório Municipal apresenta “Os Malandros”, produzido pela cia Tapanaraca Mutatis Mutandis. O musical será...

Professores dão dicas para segundo dia de provas

Professores dão dicas para segundo dia de provas

No próximo domingo (28), os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 farão as provas de matemática e ciências da natureza. Para se sair bem, professores entrevistados recomendam...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga