Poder pessoal

Há séculos estamos construindo uma estrutura de poder centrada e ambientada na pessoa do governante, como se fossem deuses os eleitos.
Sedes de governo são estruturadas como cortes, crescentemente luxuosas e repletas de séquitos de nomeados, sempre dispostos a rolarem de rir antes mesmo do chefe terminar a piada. A sede do poder é, constantemente, confundida com a residência pessoal do governante.
Jornais noticiam, diariamente, reuniões entre prefeitos, governadores e presidente, com vereadores, deputados e senadores que os apoiam, na sede administrativa. Nada mais ridículo.
Reuniões com aliados devem ser realizadas em recintos privados, pois os recintos públicos não podem ser utilizados para conchavos e acertos partidários, ainda que tratem tão somente de expor argumentos e definir estratégias parlamentares.
Governantes, no expediente dos gabinetes, deveriam ser forçados à divulgação de agenda, com explicitação dos assuntos tratados, que devem ser exclusivamente de interesse público. Não convém transformar a sede administrativa em local de venda de imóveis, acertos de aluguéis, atendimento de clientes, etc.
Entrevistas em recintos públicos devem, necessariamente, ser coletivas, nada havendo de republicano em prestar esclarecimentos e informações a apenas parte da mídia. As tais entrevistas exclusivas devem ser realizadas em espaços particulares.
Pronunciamentos oficiais, inclusive em inaugurações, devem, forçosamente, ser apartidários, literalmente executivos. Na prática, servem para enaltecer pequenos feitos, obrigatórios, e contrariar as falas oposicionistas.
É comum, em nossas administrações, a referência a obras e providências públicas, como um favor pessoal, buscando a fácil popularidade e gratidão.
Mandatários personalistas não nutrem grande apreço por instituições sólidas, capazes do cumprimento de suas funções constitucionais, mesmo contrariando a vontade pessoal do governante. A carência de instituições faz com que a estrutura oficial assuma a feição pessoal do administrador, e todo o país acaba sujeito a mudança de rumo, mandos e desmandos, a cada eleição.
O elevado número de comissionados facilita a ocupação partidária dos órgãos oficiais, demolindo e desfigurando instituições. Aliás, o livre provimento de cargos necessita de freios e limitações legais, para que o cantor preferido não acabe ministro da Fazenda, e um suplente aliado não assuma o mandato graças a alguma nomeação do titular.
O livre provimento deve vir acompanhado das razões técnicas da nomeação, apontando as virtudes e capacitação dos escolhidos. O trato atual da nomeação do absurdo número de comissionados é, a um só tempo, trágico e risível. É a expressão maior da pessoalidade e fisiologismo, no trato da coisa pública.
Nossos administradores, muitos, parecem não assumir um múnus, mas ganhar um reino. Um pouco de humildade seria benvinda, ao eleito, e menos vassalagem seria útil, aos administrados.

Últimas

Prefeitura abre Refis 2021 para os contribuintes

Prefeitura abre Refis 2021 para os contribuintes

Começou nesta quarta-feira, dia 22, o Programa de Recuperação Fiscal de Itapetininga (Refis) 2021 de Itapetininga. O contribuinte pode parcelar suas dívidas municipais, como ISSQN, IPTU, ITBI e outros impostos...

Casos de furto aumentam 17% em Itapetininga

Casos de furto aumentam 17% em Itapetininga

Nesta semana as cenas de violência contra um idoso durante um assalto no Centro de Itapetininga chamaram atenção para o assunto de segurança no município. Dados da Secretaria de Segurança...

Cidade não tem plano municipal de arborização

Cidade não tem plano municipal de arborização

A prefeitura de Itapetininga informou, por meio da Secretaria de Meio Ambiente que o plano está sendo elaborado. Segundo o executivo, em 2021 foram realizados até o momento 125 corte...

Produtores se preparam para o plantio da soja

Produtores se preparam para o plantio da soja

Produtores de soja se preparam para o inicio do plantio da soja que começou em 16 de setembro. O calendário de semeadura estabelecido para o plantio da soja vai até...

Semeando Talentos está em busca de jovens profissionais

Duratex oferece curso profissionalizante

A Dexco, detentora das marcas Duratex e Durafloor, alinhada à sua estratégia de ESG (sigla em inglês para ações ambientais, sociais e de governança), mantém o compromisso de fomentar ações...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga