Por que o Cristão Morre?

Carlos estava sentado na poltrona com a perna direita descansando sobre o joelho da esquerda. Logo que me viu, levantou-se rapidamente, curvou-se, à moda japonesa, estendendo a mão direita para mim e, cumprimentando-me, pediu a bênção.
– Que Deus o abençoe e seja o seu conselheiro e iluminador, disse eu. Ele me agradeceu e, tomando assento, com a mão direita fez um gesto de fidalguia, pedindo para que eu me ajeitasse na outra poltrona. Logo em seguida, disse que estava matutando sobre a morte do cristão e fez uma pergunta que muitos já fizeram para mim. Disse ele, interrogando-me:
– Se o cristão já foi justificado por Deus, tendo como base o sacrifício vicário de Cristo, por que tem que morrer? A morte física não é uma punição divina?

Cofiei os poucos cabelos que tenho na cabeça e, olhando fixamente nos seus olhos,respondi, pesando as minhas palavras para não ofendê-lo. Usei os argumentos bíblicos e as explicações teológicas de Louis Berkhof.

– Carlos, na união mística com Cristo, o crente é levado a participar das experiências do Mestre. Assim como Jesus entrou em sua glória pelo caminho do sofrimento e da morte, os que o aceitam como seu salvador só podem tomar posse da sua herança eterna por meio da santificação. A morte completa a santificação da alma do cristão, de sorte que ele passa imediatamente a ser um espírito justo e aperfeiçoado. Li, nesta hora, Heb. 12:23 e expliquei o texto, assim como Apoc.21:27. Depois, ainda, disse que para o crente a morte não é o fim, porém o início de uma vida perfeita.

Nesta hora, caro leitor, eu me lembrei da minha cunhada Ivanilde Moreira Dantas, que alguns dias antes de sua partida, cantou e os seus filhos gravaram esta parte do hino: “Vivo por fé e ele, Cristo, me susterá.” Ela foi uma santa, mãe exemplar, esposa fiel e praticante das boas obras. Antevia, quando cantava hinos de louvores a Deus, a glória celestial e adentrou a morte com a certeza de que o seu aguilhão, referido pelo Apóstolo Paulo, já fora retirado por Cristo na cruz. Li I Cor. 15 : 55. A morte para a Ivanilde foi a porta do céu.

Carlos não se conteve e chorou comigo e, com a voz embargada, eu disse:
-Ela dormiu no Senhor no dia onze de setembro de dois mil e quinze e o seu corpo jaz no cemitério de Montes Claros. O seu espírito está gozando das delícias celestiais em Cristo. Li, pausadamente I Tes. 4:13 a 18. Carlos, eu vou embora, disse eu.
Eu me despedi e ele me acompanhou até o portão de sua casa. Saí com os olhos voltados para o céu, pedindo para que Deus concedesse o consolo para o Wilson, seu esposo, e para os filhos: Mafalda, Eneida, Rodrigo e Raquel. A dor da partida é grande!

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga