Poucos eram, e simpáticos, os judeus desta terra

Quais e quantos foram os judeus que se estabeleceram em Itapetininga? Esta pergunta surgiu recentemente e a maioria não soube responder. Diminuto número de israelitas se estabeleceram em Itapetininga, entre as décadas de 30 a 1950.
Procedentes de Israel e que se instalaram no Brasil, optaram por fixar residência em cidades como S. Paulo, principalmente, Campinas Sorocaba, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Presidente Prudente e em outros Estados Brasileiros, de maior densidade populacional. A propósito, lembra-se que em Rio Preto, a colônia israelita da cidade doou e mantém até hoje em boas condições, uma praça pública à prefeitura, num gesto de puro agradecimento ao povo que a acolheu.
Em Itapetininga pequeno número de famílias judaicas veio se radicar, enquanto a maioria decidiu estabelecer-se na capital paulista, integrando-se perfeitamente com a população paulistana. Instalaram-se, principalmente com comércio na rua José Paulino, Bom-Retiro, com lojas-varejo e atacado- de confecções de alto padrão e qualidade. Nesta época, até a década de 80, o conhecido Bereck Grajkar – falecido recentemente- filho de Moshe Grajkar, por vários anos residiu na capital, vendendo artigos para inverno, na rua Anhaia, próximo à estação Júlio Prestes.
Atualmente, pode-se dizer, com certeza, são poucos os descendentes de judeus na rua José Paulino que possuem comércio. A maioria deles abandonou o ramo, e os filhos e netos tomaram rumos diferentes, preferindo as áreas da medicina, magistério, empresas, comunicação, mídia, mercado financeiro, investimentos e outras. O mesmo fato ocorreu com a rua 25 de Março tradicional reduto da colônia árabe e seus descendentes, agora, estão voltados para o alto comércio de miudezas, tecidos, confecções etc.
Em Itapetininga o número reduzido de israelitas, teve como moradia a famosa rua Campos Sales. Foram os bravos e simpáticos Moshe Grajkar – especialista em recepcionar as altas autoridades civis, militares e eclesiásticas em sua loja – Benjamin Perloff – competente alfaiate, Isaac Ferman, com grande loja de miudezas por atacado, José Lerner, em frente ao Cine São Pedro, com a loja de confecções e miudezas, Shatane família transacionando com móveis de alto padrão, Marcos Steiman e família Segal, trabalhando com móveis novos e usados.
Todos se aculturaram com os habitantes de Itapetininga, contribuindo e colaborando com entidades filantrópicas e contribuindo com outras causas beneficentes como os filhos do saudoso Bereck Grajkar, residindo ainda na rua Campos Sales.
Entretanto, na capital paulista, muitos israelitas que lá residem – notadamente pais e filhos –estão migrando para seu país de origem. Conforme dados o número de judeus brasileiros que se mudaram para Israel aumentou em 100% nos últimos três anos por causa do agravamento da crise econômica. Foram 500 em 2015, o dobro do contingente de 2013. Hoje, a rua 25 de Março e José Paulino, foram tomadas literalmente por contingentes chineses, bolivianos, coreanos e outros imigrantes.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga