Pra não dizer que não falei de…

Entre 2003 e 2010, quando voltei a lecionar no ensino médio (antigo colegial) na rede estadual dessa cidade não foram poucas as vezes que ouvi os jovens assobiando e cantando a histórica canção do cantor e compositor Geraldo Vandré, de título “Pra não dizer que não falei de flores” (“Caminhando e cantando e seguindo a lição…”). Sempre com curiosidade indagava aos alunos se sabiam o nome da música que, bem ou mal, estavam interpretando. Geralmente não sabiam, ouviam por outros mais velhos, e decoravam por acharam bonita ou interessante, mas nem sabiam, se era brasileira ou alienígena. Em 2006, “Pra não dizer que não falei de flores” voltou na mídia, principalmente a televisada, no Governo Federal de Lula, através de uma propaganda do Ministério da Educação conclamando os vestibulandos a se inscreverem no Prouni, que, como vocês sabem, eram um projeto do então Governo no sentido de patrocinar o custo universitário dos alunos mais carentes.

De acordo com a época, a canção foi apresentada num ritmo “meio pop”, meio “hip hop” um pouco diferente, já que Geraldo Vandré, o autor, era um purista e não admitia que fosse sons estrangeiros em suas composições. E nesse período (2003-2010) e nem agora (2020), certamente os jovens não sabiam nada e não sabem da vida do paraibano Geraldo Vandré autor da citada música. Formado em Direito pela Universidade Federal da Paraíba, Vandré veio para São Paulo tentar a carreira artística, aparecendo muito no início da década de 1960 na finada TV Excelsior, que ocupava o antigo Teatro de Cultura Artística, na rua Nestor Pestana, próximo a igreja da Consolação. Suas músicas, geralmente também com letras suas, eram irreverentes, mordazes, com um som próprio e que protestavam contra as más condições de vida do trabalhador brasileiro. Vandré tornou-se nacionalmente conhecido quando sua criação “disparada” (prepare seu coração…) cantada por Jair Rodrigues e que empatou com “A banda” de Chico Buarque de Holanda, no Segundo Festival de Música Popular Brasileira da TV Record de São Paulo, em outubro de 1966. Dois anos depois em 1968, foi classificado ele e seu violão e concorreu na Final Nacional do Terceiro Festival Internacional da Canção Popular promovida pela novata Rede Globo do Rio de Janeiro. Era 29 de setembro de 1968, no Maracanãzinho do Rio de Janeiro quando Geraldo Vandré foi aclamado pelas milhares de pessoas presentes. Pelo júri, ficou em segundo lugar. Mas a plateia queria que sua canção ficasse em primeiro. Mas este posto foi ocupado por Antônio Carlos Jobim, o “Tom” e Francisco Buarque de Holanda, o “Chico”, autor de “Sabiá” cantada por Cynara e Cybele e grande orquestra. O público carioca não aceitou o resultado e Tom Jobim, presente, foi vaiadíssimo (Chico Buarque estava na Itália).

Pouco tempo depois, em 13 de dezembro do mesmo ano, foi decretado o terrível Ato 5 pelo governo ditatorial (que acabava com toda a liberdade individual do Brasil) e Geraldo Vandré por causa de suas músicas consideradas subversivas passou a ser conhecido como inimigo total do governo militar. Daí, ele teve que exilar-se no Chile.  Por longos anos “Pra não dizer que não falei de flores” tornou-se um dos símbolos da contestação dos estudantes contra o governo e praticamente sua execução na mídia falada e televisiva não mais aconteceu. Quando, tempos depois, Geraldo Vandré voltou do exilio, renegou sua carreira artística, rompeu com o movimento de esquerda da época e entrou no anonimato.

Geralmente o jovem continuam não sabendo sobre este período conturbado da vida brasileira. Tanto, que muitos deles levavam, até recentemente em passeatas, com apoio a determinados políticos, faixas ou comunicações (também pelas redes sociais) pedindo a volta do Ato adicional 5, por exemplo. Ou será que sabem e apoiam? Pois é.

Últimas

Correio Politico – Edição 1010

Experiência e Renovação A Federação Brasil Esperança (PV, PT e Pc do B) está com uma chapa forte de pré-candidatos a vereador. Unindo experiência e renovação, a chapa de pré-candidatos...

Câmara aprova projeto de substituição de sacos plásticos convencionais por ecológicos

Prefeitura e Câmara suspendem publicações em sites

Devido à lei eleitoral, a Prefeitura e a Câmara de Itapetininga suspenderam, temporariamente, a exibição de notícias no site e no semanário oficial que impliquem em publicidade institucional. A medida...

Confira as principais notícias de 2022

Jeferson Brun lança pré-candidatura

O atual prefeito de Itapetininga, Jeferson Brun, atualmente filiado ao Republicanos, lançou oficialmente sua pré-candidatura a prefeito de Itapetininga. Caso se confirme o apoio oficial, Brun terá a companhia de...

Novos nomes surgem para  vice-prefeito

Novos nomes surgem para vice-prefeito

Na edição passada, o Jornal Correio publicou seis nomes que estão na disputa para entrar de vice-prefeito em Itapetininga. Mais duas pessoas estão ainda no jogo como ex-secretário municipal de...

Clima desfavorável afeta produção de figo na cidade

Clima desfavorável afeta produção de figo na cidade

No município de Itapetininga, o clima desfavorável marcou a temporada de colheita de figos neste ano, conforme relata Daniel Nache, produtor local. “Este ano foi desafiador desde o início, com...

Rodovias registram 12 mortos em acidentes

Rodovias registram 12 mortos em acidentes

Durante o feriado prolongado de 9 de julho, as rodovias administradas pela CCR SPVias em Itapetininga e região registraram um saldo de 12 mortos e 51 feridos em 22 acidentes....

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.