Profissões do passado que desaparecem em Itapê

Ofícios ou profissões que dominaram soberanamente em Itapetininga, em épocas não muito remotas, foram substituídas atualmente por novas tecnologias. São novidades em sua última atualização, divulgadas em janeiro do ano passado. Na lista de 2.619 atividades relacionadas no “Classificação Brasileira de Ocupações”, duas novas famílias ocupacionais foram incluídas: a os profissionais e a dos técnicos da inteligência – representando então trabalhadores ligados à informática.
A vida mudou e muitas profissões ou ocupações, não só em Itapetininga com em outros municípios, não mais deverão existir em anos vindouros, de acordo com o “caminhar da carruagem”. Não conseguirão, dizem os técnicos, acompanhar as novas tecnologias baseadas na eletrônica ou nos modernos métodos de produção. Vão se tornar absoletas ou supérfluas para o mercado.
Observando-se rapidamente, constata-se que a lista é muito grande, reunindo profissões quase todas com componentes artificiais ou manuais. Já quase não existem mais o alfaiate, o amolador de facas, o velho contador individual (o famoso e respeitado guarda-livros), a costureira (poucas em Itape), o datilógrafo, o linotipista, o engraxate, o fotógrafo (com estabelecimento comercial próprio), o reparador de caneta-tinteiro (lembram-se de Issa Bittar?), o consertador de guarda-chuvas (o conhecido espanhol Garcia e o Jamil, descendente de libaneses), o operador de mimeógrafo, o sapateiro, o tintureiro e o tipógrafo. No caso de guarda-chuva, geralmente são todos descartáveis, não compensando o seu conserto.
O avanço da informática destinou a máquina de escrever para o museu e pouco são usadas. Na rua Saldanha Marinho funciona um estabelecimento dedicado ao reparo daquele equipamento, e também em algumas cidades, comerciantes de antiguidades com o objetivo de vender máquinas de escrever para colecionadores, procuram-na ansiosamente em todas as partes da região. Poucos são os sapateiros em plena atividade atualmente. Um deles, nesta cidade, diz que os calçados de hoje tem um tempo de vida limitada. Conta que somente pessoas de posse que calçam modelos importados mandam consertar os sapatos e, tempos atrás, tínhamos os fabricantes artesanais como Tuím, avô de Dedé Guarnieri,o Cauchioli (craque futebolístico da AAI), o querido Costábile Matarazzo, Idalino Franci e outros.
Em nosso município, alfaiates e costureiras deixaram de existir, não se conhecendo mais oficiais para pequenas reformas, (recentemente faleceu o conhecido Vico, um dos últimos remanescentes da geração de alfaiates). Os famosos tintureiros fizeram histórias em Itapê, como Araldo (sendo apelidado de Leão).
Anunciato, Tôco e seu irmão, com estabelecimento na rua General Glicério e posteriormente na Barbosa Franco e Saldanha Marinho dezenas de outras profissões ou ofícios viraram acervo de museus, mas não seria justo dizer que nossa sociedade nada releve das profissões que já morreram.
Muitos, de fato, cultivam mal o seu passado, mas alguns ofícios permanecem tão vivos na memória popular que inspiraram até temas de filmes e poemas, como o acendedor de lampiões (Lampião de gás, interpretado por Inezita Barroso) e o poema “Quando eu morrer não venda a minha máquina de escrever” de autoria de Ghiaroni, astro da antiga Rádio Nacional do Rio de Janeiro, para citar alguns exemplos.
Obs: Alguns dados desta crônica foram obtidas da revista “Problemas Brasileiros”.

Últimas

CORREIO POLÍTICO 1012

CORREIO POLÍTICO 1012

Presidente Lula na região Na próxima terça-feira, dia 23, o presidente Lula estará na nossa região, em visita ao Campus Universitário Lagoa do Sino, da Universidade Federal de São Carlos...

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Nos últimos oito anos, a expansão dos cursos gratuitos de graduação da Fatec e do IFSP foi paralisada em Itapetininga. No período, ex-prefeita Simone Marquetto (MDB), que governou a cidade...

Justiça Eleitoral paulista fará transmissão de boletins de urna por satélite nas Eleições 2022

TSE divide R$ 4,9 bi a 29 partidos políticos

Com R$ 4,9 bilhões, o Fundo Especial de Campanha já tem o destino certo dos valores para cada partido político no Brasil. Como já era projetado, o PL e o...

Instalação de curso  de Medicina é marco

Instalação de curso de Medicina é marco

A educação de nível superior registrou um forte avanço na gestão Simone Marquetto com a abertura do curso de Medicina do campus da Universidade São Caetano do Sul (USCS). A...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.