Quem foi Anésia Pinheiro

Há pouco, alguém olhando a estátua de Anésia Pinheiro, localizada no Largo dos Amores, indagou, com imensa curiosidade: Quem foi essa senhora?

Pois, para aqueles que não sabem de sua história e para outros que desejam conhecer a vida de Anésia, ousamos escrever algo a seu respeito.

Primeira mulher brasileira a obter um brevê e também uma das pioneiras da aviação mundial. Recebeu em Montreal, no Canadá, a medalha Edward Warner, a condecoração mais cobiçada pelos pilotos internacionais. A carreira de Anésia teve a benção do Pai da Aviação, Santos Dumont, que lhe deu uma medalha de São Benedito – espécie de amuleto contra acidentes aéreos – um dia depois de ela ter voado sozinha num monomotor de São Paulo para o Rio de Janeiro, para comemorar a Independência do Brasil. Nessa época, o sonho de Anésia era vencer na vida pilotando aviões.

Sua paixão pela aviação aconteceu em 1920, quando um piloto norte-americano, Orton Hoove, visitou Itapetininga – sua terra e a convidou para dar um passeio em seu avião. Em março de 1921, ela voltou a voar, desta vez com um piloto brasileiro, o Capitão Busse, que a incentivou a adotar a aviação como profissão. Dois dias depois, Busse sofre um acidente aéreo e veio a falecer. Ela foi quem fechou seus olhos, e “aquilo me deu força moral para aprender a voar”, disse Anésia.

Foi então que ela deixou Itapetininga e se mudou para São Paulo com o objetivo de tornar-se aviadora. Nem tudo foi fácil, porém; “A maior dificuldade que encontrei foi o preconceito pelo fato de ser mulher, mas se eu ficasse na minha cidade (Itapetininga), o máximo que conseguiria era ser a mulher do filho do açougueiro”, dizia brincando Anésia. Ela foi casada com o Marechal-do-Ar Antônio Appel Neto, falecido em 1970.

Apesar de não pilotar mais, ela não abandonou a dedicação `aviação. Foi conselheira do instituto de Cultura e história da Aeronáutica, ligado ao ministério da Aeronáutica.

Antes de Anésia, somente 22 personalidades da aviação internacional receberam a já citada medalha Edward Warner, condecoração criada em 1938 pela Organização da Aviação civil Internacional, em homenagem ao primeiro presidente da entidade. Entre os agraciados, o único brasileiro até então era Rubem Berta, presidente da Varig na década de 1960.

A estátua de Anésia, no largo dos Amores, deve-se a campanha idealizada pelo odontólogo e agitador cultural Roberto Soares Hungria.

Anésia foi uma mulher independente, avançada e muito na frente de seu tempo.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga