Quero amar o diferente

Aconteceu comigo. Serei breve. Quando eu cheguei, ele saía. Olhou para mim seriamente e, por cima dos óculos. Cumprimentei-o, mas ele não respondeu. Fui atendido por uma jovem. Apresentei os meus documentos exigidos. Quando eu falei que era Mestre em Comunicação e Letras, pediu o comprovante. Não havia trazido. Falei que traria depois.
Fiquei sentado, esperando as anotações. Voltou o homem sério e de poucas palavras. A moça referiu-se à minha graduação e ele deu aquele risinho, e disse, debochando: Mestre, Mestre. Saiu novamente sem olhar para mim.
No Brasil, não há acepção de pessoas para trabalhar em serviços braçais, como jardineiro, coveiro, varredor de ruas e outros afins, porém há discriminação, quando o trabalho não é manual.
Fui obrigado a levar, no dia seguinte, uma xérox autenticada do meu diploma de Mestre em Comunicação e Letras, expedido pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Antes, porém, tive que escrever um pequeno conto.
Tiago, irmão do Senhor Jesus, disse: “Meus irmãos, não tenhais a fé de Nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da Glória, em acepção de pessoas”. Depois de uma advertência, tomando como base a lei mosaica, afirma: “Se cumprirdes, conforme a Escritura a lei real: Amarás a teu próximo como a ti mesmo, bem fazeis. Mas se fazeis acepção de pessoas cometeis pecado, e sois redarguidos pela lei como transgressores”. Diz ainda, completando o seu pensamento como teólogo: “Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, torna-se culpado de todos”. (Tiago 2)
Estudei em Seminário Presbiteriano e lá recebi o diploma de Bacharel em Teologia, depois, numa Complementação Filosófica, recebi do MEC uma carteirinha, autorizando-me a lecionar História, Sociologia e Filosofia. Sociologicamente é difícil sanar a discriminação. Salomão, o terceiro rei de Israel, escreveu um livro conhecido por “Cantares de Salomão”. Faz parte dos livros poéticos da Bíblia. O filho de Davi colocou nos lábios de uma jovem, cor de jambo, estas palavras sentidas e melancólicas: “ Não olheis para o eu ser morena, porque o sol resplandeceu sobre mim: os filhos de minha mãe se indignaram contra mim, e me puseram por guarda de vinhas; a vinha que me pertencia não guardei”. O livro foi escrito no século X a.C. e já nessa época havia a discriminação. Robert Lee, no seu livro “A Bíblia em Esboço” afirma que a morena confessa a sua fraqueza e lembra, saudosamente, das misericórdias passadas”. A palavra chave do livro poético é “amor”.
Deus é Amor e só o Amor pode desfazer as diferenças e nivelar a humanidade sob a égide da bondade, da paz, da longanimidade, benignidade e da mansidão.
Eu quero amar o diferente, como o Amor me amou e se entregou por mim na cruz do Calvário. Eu quero amar, como o Amor me amou e não me deixou sozinho no mundo, mas está sempre comigo, na Pessoa do Espírito Santo. Eu quero amar como o Amor me amou e me ama pelos séculos e séculos sem fim. Que Amor.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga