Roda Viva

À medida em que envelhecemos, as opiniões que restam transformam-se em verdadeiras cláusulas pétreas.
São conceitos reavaliados ao longo da vida, produtos de interações e da observação dos fatos históricos. Na verdade, a sociedade sempre premiou a falta de opinião, e ainda costuma premiar com cargos e um amplo rol de amizades as pessoas que tendem a jamais discordar de algum conceito ou valor.
Existem modismos e policiamentos ideológicos que atuam no sentido de massificar os conceitos e valores humanos. Tais tendências induzem à aceitação de tudo o que é considerado progressista ou atual.
Costumes e tradições, diversos, são alvos preferidos de sociólogos amadores, perpétuos plantonistas, sempre à cata de ritos e símbolos alheios, para examiná-los sob a caolha ótica da materialista razão humana.
Firmamos, há tempos, a opinião de que a instituição das disciplinas “Educação Sexual” e “Religião” renderão, ao currículo escolar, mais dissabores que proveitos. A religião deve estar contemplada no ensino de outras disciplinas, como História, Geografia ou Sociologia, sem proselitismos ou negações.
A Educação Sexual deve ser contemplada tão somente nos quesitos de saúde e respeito humano, priorizando a discussão de temas como a gravidez precoce. Tais ensinamentos podem ser objetos de palestras, expediente pouco experimentado na maioria das escolas.
Pelo que temos lido, existe uma tendência a instruir as crianças a usarem cueca e sutiã, e decidirem, após anos assim trajadas, qual opção sexual assumirão. A ideia parece ser de que todos são exceções, à procura de regras.
Na verdade, existe um profundo desrespeito à religiosidade alheia, não raro vítima de racionalismos vulgares, incapazes de entender a fé como foro íntimo, insondável.
Não raro, os desrespeitos e afrontas surgem à pretexto da liberdade de manifestação, sustentáculo da cidadania. Tal liberdade, contudo, jamais foi absoluta, devendo sempre respeitar a integridade alheia.
As cenas que alguns trogloditas introduziram na Parada Gay, em plena avenida Paulista, foram chocantes e desrespeitosas, não caracterizando a liberdade de manifestação, mas a capacidade de infringir, impunemente, dispositivos do Código Penal. Infelizmente, uma manifestação destinada a pregar a tolerância e respeito humano acabou por alimentar sentimentos opostos.
Sem valores, conceitos e tradições, nenhuma sociedade sobrevive, e convém preservá-los. Outrora, as invasões e desmontes eram bélicos, e hoje são culturais, transformando povo em gado.

Últimas

Prefeitura abre Refis 2021 para os contribuintes

Prefeitura abre Refis 2021 para os contribuintes

Começou nesta quarta-feira, dia 22, o Programa de Recuperação Fiscal de Itapetininga (Refis) 2021 de Itapetininga. O contribuinte pode parcelar suas dívidas municipais, como ISSQN, IPTU, ITBI e outros impostos...

Casos de furto aumentam 17% em Itapetininga

Casos de furto aumentam 17% em Itapetininga

Nesta semana as cenas de violência contra um idoso durante um assalto no Centro de Itapetininga chamaram atenção para o assunto de segurança no município. Dados da Secretaria de Segurança...

Cidade não tem plano municipal de arborização

Cidade não tem plano municipal de arborização

A prefeitura de Itapetininga informou, por meio da Secretaria de Meio Ambiente que o plano está sendo elaborado. Segundo o executivo, em 2021 foram realizados até o momento 125 corte...

Produtores se preparam para o plantio da soja

Produtores se preparam para o plantio da soja

Produtores de soja se preparam para o inicio do plantio da soja que começou em 16 de setembro. O calendário de semeadura estabelecido para o plantio da soja vai até...

Semeando Talentos está em busca de jovens profissionais

Duratex oferece curso profissionalizante

A Dexco, detentora das marcas Duratex e Durafloor, alinhada à sua estratégia de ESG (sigla em inglês para ações ambientais, sociais e de governança), mantém o compromisso de fomentar ações...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga