Selvagens

Nada mais passageiro que a felicidade humana.
Somos movidos por objetivos e quereres, que perdem o encanto quando passam a integrar o cotidiano. A vida é uma sequência de objetivos, frustrados ou atingidos.
A realidade, nua e crua, parece indicar que, para a maioria de nós, estar bem é estar em situação melhor ou semelhante aos com quem convivemos. A felicidade, em seus momentos, é comparativa.
A humanidade desceu das árvores e saiu das cavernas, mas ainda mantém intactos os instintos mais primitivos, que vez ou outra são manifestados. O avanço da tecnologia e a obtenção do progressivo conforto, aliados aos ganhos da cultura e educação, não foram suficientes para a erradicação dos conteúdos animalescos que todos portamos.
O instinto de sobrevivência, tão marcante em animais, aves e até plantas, tem na espécie humana um sabor de manutenção de status. Enquanto animais e aves tratam de manter, a todo custo, a própria vida, os homens emprestam-lhe a busca de preservar bens e influências pessoais, também a todo custo.
A história da humanidade é uma sucessão de feitos heroicos e atitudes selvagens, que persistem até hoje. Enquanto voluntários e abnegados dedicam a vida ao socorro dos desvalidos, há quem se ocupe de degolar desafetos e implodir multidões.
Na política, a humanidade encontra seu modo mais civilizado de manifestar sua selvageria. Vez em sempre, roubam os recursos que fazem falta ao atendimento das mais básicas necessidades da população, como saúde, segurança e educação.
A busca incessante de acumular bens e poderes raramente é freada por imperativos éticos ou princípios morais. Vale, na política, o conforto de imaginar que praticam males useiros e vezeiros, tal qual a maioria do entorno.
Somos, em essência, egoístas, e fazemos poses heroicas ao repartir o que não nos fará falta, ou o que sequer utilizamos. A animalidade humana costuma andar recolhida, até que se adquira alguma autoridade ou poder de mando.
São poucos, raros, os que conseguem exercer a autoridade sem pisotear pessoas. A demonstração imotivada de autoridade, pelo simples prazer do mando ostentado, frequenta ruas e esquinas, plenários, escolas e empresas.
A solidariedade humana, de tão pouco praticada, vira manchete e exemplo, quando manifestada. Contam-se nos dedos de poucas mãos os que amam os próximos como a si próprios.
Até desvalidos e miseráveis pisoteiam semelhantes, quando de alguma condição de superioridade. A selvageria não tem classe social.
As selvagerias e desonestidades dos governos seriam bem menos sentidas se a humanidade conseguisse livrar-se de seus instintos mais nefastos. Aliás, fossemos menos primitivos e egoístas, governos que escravizam sequer seriam constituídos.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga