Síndrome de adaptação à idade real

Durvalino era seu nome. Nascera em Itapetininga e vivia com a mãe. Na cidade era conhecido como Dudu. Eu o conheci quando ele tinha trinta e quatro anos. Já era maduro, como se dizia, mas não se casara e achava que era moço. Para ele jovem era todo aquele que não se casava. Frequentava a Escola Dominical e, como era solteiro, não queria ser aluno da classe de adultos e sempre estava na sala dos jovens. O tempo passa rápido e faleceu com sessenta e cinco anos e sempre na classe dos jovens.

Coitado! Ele sofria da síndrome de adaptação à idade real. Dudu morrera jovem, pois passara para a outra vida solteiro. Como ele, há muitos que não aceitam a idade real e a velhice.

No Credo Apostólico, que é rezado por muitos e declamado por outros como uma pública profissão de fé, nas duas últimas declarações, diz: “Creio na ressurreição do corpo e na vida eterna. ”

Quando estive em Portugal, no ano de 2019, visitei a Igreja de São Francisco, em Évora. Na capela dos ossos, tanto as paredes como os pilares estão revestidos de alguns milhares de ossos e crânios, provenientes dos espaços de enterramento ligados ao convento. É lugar macabro, diante da beleza de outras partes, como a abóbada nervurada da nave, assim como a nave e capelas laterais, etc., etc. Como houve silêncio, diante dos ossos expostos, eu falei baixinho, mas todos os meus amigos de viagem ouviram: -No dia da ressurreição haverá um reboliço aqui. Alguns riram e outros duvidaram do fato.

Lembrei-me de Ezequiel, o profeta, e do vale de ossos secos. O profeta afirma que foi conduzido pela mão do Senhor para um vale de ossos secos e Adonai perguntou-lhe: “Filho do homem, acaso poderão reviver estes ossos? ” O profeta, sabiamente, respondeu: “ Senhor Deus, tu o sabes. ” A história é interessante, mas indo para o final, Ezequiel profetizou, segundo a ordem divina e “houve um ruído, um barulho de ossos, que batiam contra ossos e se ajuntaram, cada osso ao seu osso. ” O profeta olhou e “eis que havia neles tendões sobre eles; mas não havia neles o espírito. ” (Ezequiel 37) Por fim veio o espírito e viveram, formando um exército numeroso.

O livro de Ezequiel serviu de inspiração para Machado de Assis, na sua obra “Dom Casmurro”.

Paulo, o apóstolo, defendeu a tese da ressurreição dos mortos. Afirma o apóstolo que assim como Jesus morreu e ressuscitou, assim ressuscitarão todos aqueles que creem nele. Eis as palavras paulinas “ipsis verbis”: “Porque assim como em Adão todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo. ” I Cor. 15:22) diz ainda o apóstolo, que todos os cristãos receberão um corpo glorioso, incorruptível e imortal.

É por isso que o homem não aceita a velhice e a morte. Deus colocou no coração humano a eternidade. (Eclesiastes 3: 11) Vieira disse, num sermão: “Todos nascemos para morrer e todos morremos para ressuscitar. ” (volume II, página 188)
Dudu não aceitava a velhice e achava que era sempre jovem, pois não havia se casado. Coitado do Durvalino.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga