Sonho: cidade às margens de seu rio

Um plano elaborado há mais de sessenta anos passado previa a transferência da cidade para as margens do Rio Itapetininga, à beira de um lago de quase 20 quilômetros de extensão e seis da atual área urbana, que bem conservada deveria se transformar em região comercial e industrial. O projeto que exigiu longos meses de estudo de seu autor, a saudoso engenheiro Canuto de Almeida Moura, chefe do então departamento de obras da cidade, poderia ser concretizado se a prefeitura se decidisse a desapropriar a área prevista para a “Nova Itapetininga”.

De acordo com o documento, o lago – formado depois de uma barragem de 13 metros de altura, seria margeado por residências modernas igreja, teatro, numa área planejada com todos os melhoramentos, sem poluição ambiental e com amplas condições de abrigar tanto a população fixa como a flutuante, além de se constituir numa grande fonte de renda para o município, diante da possibilidade de atrair numerosos turistas.

Para o engenheiro Canuto, a construção da “Nova Itapetininga” representaria praticamente a redenção econômica do município e “seria a maneira mais prática da região sair da pasmaceira que se encontrava”.

Entretanto os recursos necessários para a execução do plano foram considerados muito elevados. Segundo o engenheiro, somente a construção da barragem custaria, nos valores de hoje, 50 milhões de reais. Para a formação do lago seria necessário alagar uma área de 500 alqueires, mas o engenheiro achava que, retendo um volume de 34.825.000 metros cúbicos de água, o lago teria uma profundidade de 2,5 m e o desenvolvimento do perímetro inundado seria de 15 metros de cada lado. Paralelamente à construção da nova cidade, ela também poderia se transformar em local para a prática de esportes náuticos e a formação de uma praia artificial.

Numa representação do engenheiro Canuto, reuniu-se em São Paulo, com grande número de empresários e o secretário de turismo da época, o representante da CESP, expondo o projeto e explicando as vantagens oferecidas àqueles que quiserem investir no empreendimento.

Todo estudo a respeito deste sonho, terminou melancolicamente e a administração da época pouco se interessou pelo assunto. Quando sobrou apenas o desejo da implantação da nova cidade.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga