TEMPO DE APRENDIZADO

A escolarização corre contra o tempo.
Adquirir conhecimentos, frequentando escolas e nichos que valorizam a cultura humana, é importante para todos, mas fundamental para crianças e adolescentes. Houve um tempo em que o ensino médio era dividido em áreas distintas: Científico, Clássico, Normal e até Contador.
A opção era prematura, exigida antes do aluno perceber sua real vocação, se voltada à área das ciências humanas ou exatas. O ciclo genérico, que cuida ao mesmo tempo de todas as áreas, acabou prevalescendo.
O ensino médio funciona como passaporte a concursos e cursos superiores, e é, na maioria dos casos, não profissionalizante. Ocorre que o tempo de escolarização costuma ser pequeno e mal aproveitado.
Nossos alunos passam, em média, menos de quatro horas por dia, na escola, aprendendo que uma prima de D. João VI era namoradeira, e que existe, na Antuérpia, um rio chamado Sdruvs. Em matemática e outras ciências exatas, somos tradicionais perdedores, em testes internacionais de aprendizado, enquanto a língua pátria é diariamente violentada.
Chegamos ao vestibular com reduzido conhecimento, e só entra para o curso de História, Sociologia ou Direito o aluno que conseguir acertar a questão pertinente à divisão de células. Por outro lado, engenheiros natos e médicos vocacionados devem responder questões a respeito da filosofia de Chutonaredê ou minúcias da Grécia antiga.
Não será com um tempo inferior a quatro horas por dia, na escola, que nossos alunos conseguirão assimilar o enorme conhecimento geral que necessitam. Outros povos, de maior cultura e conhecimento, passam até o dobro do tempo na escola, e alguns acumulam cursos profissionalizantes, ao mesmo tempo em que frequentam cursos genéricos.
As tão discursadas escolas em tempo integral, necessárias mas ainda raras, tornam-se um martírio e são desestimulantes, caso não possuam estruturas e ensinadores capazes de ocupar o tempo de maneira construtiva e atraente. As escolas em tempo integral ainda são raras até na rede particular de ensino. São poucos os alunos que presenciaram, na escola, esclarecimentos a respeito de drogas e cidadania.
Em nosso dia-a-dia, a escola é vista como um mal necessário e tempo de sacrifício diário, pela maioria dos alunos. Ainda existem professores que lecionam conteúdos tipicamente partidários, ensinando e desinformando ideologias as mais diversas.
No Brasil, o tempo na escola diminui à medida em que o aluno vai passando da pré-escola à faculdade, invertendo a lógica do aprendizado e especialização. O pouco tempo de estudos também é realidade nos cursos superiores, a maioria de péssimo desempenho.
Um modelo eficiente de ensino envolve gastos bem superiores aos atuais, e os governos parecem contentes e satisfeitos com resultados pífios de aprendizado, como se a meta fosse preencher estatísticas e não formar cidadãos. As próprias famílias pouco educam no sentido de valorizar a escolarização, e as escolas não conseguem escolarizar os que chegam deseducados.
Mas convém lembrar que somos o país do samba, carnaval e futebol, e também da corrupção, ineficiência e maus exemplos. Estudar só atrapalha !!!

Últimas

Operação detém suspeito com droga na Vila Mazzei

Operação detém suspeito com droga na Vila Mazzei

Nesta quarta-feira, dia 16, durante patrulhamento da Operação Itapê + Segura, equipes da Guarda Civil Municipal de Itapetininga prenderam um suspeito nas proximidades de uma escola municipal na Vila Mazzei....

Mangá: ícone pop da cultura japonesa

Mangá: ícone pop da cultura japonesa

Por: Milton Cardoso Havia um enorme abismo cultural entre os imigrantes europeus e japoneses, mas a educação dos filhos era um ponto comum entre eles. Uma das prioridades era a...

Céu das Artes abre inscrições para cursos e oficinas

Céu das Artes abre inscrições para cursos e oficinas

O Centro de Artes e Esportes Unificados em Itapetininga, mais conhecido como Céu das Artes, abriu desde segunda-feira, dia 14, inscrições para diversos cursos e oficinas, todos de graça, voltados...

A chegada dos imigrantes japoneses em Itapetininga

A chegada dos imigrantes japoneses em Itapetininga

Milton Cardoso Especial para o Correio Há exatos 113 anos no porto de Santos desembarcaram do navio Kasato Maru 781 imigrantes japoneses, todos agricultores. Na bagagem traziam muitos sonhos: o...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga