Trânsito difícil

As cidades brasileiras, em sua maioria, não foram planejadas para o número crescente de veículos que suportam.
As dificuldades em transitar tornam-se agravadas, quando da tentativa de encontrar vagas públicas para estacionar. Nas regiões centrais da zona urbana, o trafego predominante resulta de tentativas frustradas de estacionamento.
Interior afora, os deslocamentos em veículos são, em sua maioria, desnecessários, para destinos próximos, a poucos quarteirões. A população caminha cada vez menos.
Buscando diminuir o tempo de ocupação de cada vaga, foram criadas as Zonas Azuis. Como tais zonas resultaram em boas receitas, muitos municípios estão aumentando-lhes a abrangência, para regiões onde estacionar ainda não é problema.
As carroças estão sendo progressivamente proibidas, e as bicicletas ainda são de restrita utilização. Algumas cidades oficializaram a modalidade do táxi-lotação, a preços módicos e percurso pré-determinado, verdadeiro ônibus em miniatura.
Econômicas, ágeis e de fácil aquisição, as motos se multiplicam, enlouquecendo o trânsito pela contumaz desobediência às leis do trânsito e frequente afronta a pedestres. Existem cidades onde o uso de capacetes, imposição legal, ainda é pouco praticado.
Nas grandes cidades, é proibido o trânsito de moto-táxis, e enorme a utilização dos veículos para a entrega de mercadorias e correspondências. Por todo o país, transitam motos com dois ou mais ocupantes.
Motos com dois ocupantes são intensamente utilizadas no cometimento de crimes, a ponto de um grande número de estudiosos sugerir sua proibição.
Na verdade, o carona das motos desafia e desacredita todas as recomendações de segurança no trânsito. Parece piada, mas uma criança, para ocupar uma vaga no banco traseiro de um carro, deve atender a exigências de uma cadeirinha especial, e nenhuma exigência é feita, quando ocupam a traseira de uma moto, verdadeira roleta russa.
O cidadão, circulando em carro qualquer, deve obrigatoriamente utilizar o cinto de segurança, mas pode transitar em ônibus urbano, em pé e sem qualquer cinto ou aparato do gênero.
Os transportes públicos ainda são incômodos e poucos. Ônibus sempre lotados, outrora sinalizadores de linha rentável, hoje sinalizam grave omissão da autoridade pública.
A abolição das vistorias, quando do licenciamento anual, faz crescer o número de veículos que transitam sem condições de segurança para tanto.
Os pedestres, agravando o trânsito, continuam atravessando as ruas de modo transversal. Iniciam a travessia em uma esquina e terminam em outra, 80 ou 100 metros à frente. Alguns sequer andam, mas desfilam, e todos julgam que a faixa indica preferência, mesmo quando o sinal está aberto para os veículos.

Últimas

CORREIO POLÍTICO 1012

CORREIO POLÍTICO 1012

Presidente Lula na região Na próxima terça-feira, dia 23, o presidente Lula estará na nossa região, em visita ao Campus Universitário Lagoa do Sino, da Universidade Federal de São Carlos...

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Nos últimos oito anos, a expansão dos cursos gratuitos de graduação da Fatec e do IFSP foi paralisada em Itapetininga. No período, ex-prefeita Simone Marquetto (MDB), que governou a cidade...

Justiça Eleitoral paulista fará transmissão de boletins de urna por satélite nas Eleições 2022

TSE divide R$ 4,9 bi a 29 partidos políticos

Com R$ 4,9 bilhões, o Fundo Especial de Campanha já tem o destino certo dos valores para cada partido político no Brasil. Como já era projetado, o PL e o...

Instalação de curso  de Medicina é marco

Instalação de curso de Medicina é marco

A educação de nível superior registrou um forte avanço na gestão Simone Marquetto com a abertura do curso de Medicina do campus da Universidade São Caetano do Sul (USCS). A...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.