A casa não saiu da planta

Vou contar uma história. Aliás é história e não estória, pois a última forma não vingou. Depois do preâmbulo curtíssimo, eis a história: O seu nome era Valdomiro, porém era conhecido por Vado. Era empregado de uma grande firma e o seu salário era bom e para muitos que o conheciam era muito bom, boníssimo.

Resolveu construir uma casa bem grande, confortável, bela, aprazível e outros adjetivos superlativos. Deveria ter começado com a edícula, pois poderia aproveitar para guardar o material da construção ou morar nela enquanto construía o seu casarão. Derrubou a casa, onde morava, herança do seu pai e deixou o quintal limpo e bem limpo. Não teve a prudência de fazer o cálculo e esqueceu da ordem de Cristo, embora fora do contexto: “Sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas”. Levantou as paredes e colocou a laje e parou, pois não tinha mais dinheiro para terminá-la. A construção era de trezentos e cinquenta metros quadrados.

Vado começou a construção com muito afoito e não fez os cálculos de quanto iria gastar e quanto tinha para dispor. Tinha que pagar aluguel, sustentar a esposa e a filha, pagar os construtores, comprar material e, embora ganhasse bem, o dinheiro não deu.

A Bíblia, que é a Palavra de Deus, é a única regra de fé e prática do cristão. É regra de fé, uma vez que ela ensina que Jesus, o Deus encarnado, é o único Redentor e intercessor do cristão. Ensina que o homem para ter a salvação precisa ter fé no sacrifício vicário de Cristo e demonstrar essa fé pelas obras. Ensina que Jesus é o único mediador entre Deus e o homem. A Bíblia é regra de prática, visto que ensina como o homem deve se portar neste mundo.

Jesus, certa ocasião, numa aula, discorrendo sobre a prudência e a providência, disse: “Pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir? Para não suceder que, tendo lançado os alicerces e não a podendo acabar, todos os que a virem zombem dele, dizendo: Este homem começou a construir e não pôde acabar”.

Valdomiro não conseguiu construir a sua casa. Tinha olhos grandes e salário pequeno para a grande construção. É verdade que ele tinha uns parentes ricos, porém todos sumiram na hora que ele precisava de dinheiro. Ninguém quis parceria com ele. Há um provérbio popular que assim reza: “Não conte com os ovos, antes da galinha botar”.

Meu irmão, não faça nada de afogadilho. Some, calcule, meça. Não confie nos homens e no dinheiro dos outros. Ninguém gosta de emprestar e ser fiador de quem não tem condições de pagar. A propósito, Salomão aconselha: “Filho meu, se ficaste por fiador do teu companheiro, se deste a tua mão ao estranho, enredaste-te com as palavras da tua boca: prendeste-te com as palavras da tua boca. Livra-te como a gazela da mão do caçador e como a ave da mão do passarinheiro”. (Prov. 6).

Hoje o esqueleto da casa está escurecido pelo tempo e morada dos morcegos e escorpiões. Coitado do Vado!

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga