A cortina paulistana

Nosso assunto começa na metade dos anos de 1940. São Paulo (a cidade) já era uma potência econômica (se comparada a outros estados brasileiros), com três milhões de habitantes mas não possuía nenhuma companhia de teatro verdadeiramente paulistana. O que haviam eram nomes já célebres, todos cariocas, que vinham realizar temporadas aqui. Geralmente encenadas em poucas semanas para um público quase restrito (a população não tinha ainda o hábito de ir ao teatro).
Popularmente os espetáculos que predominavam eram o cinema (muitos, em todo o centro paulista e alguns extremamente “chics”) e os circos. O cinema predominantemente hollywoodiano e o circo, geralmente internacional. Em nosso comentário deixemos de lado o Theatro Municipal com repertórios e elenco próprio, mas destinado a elite intelectual e econômica. Esta mesma elite recebia de vez em quando a Comédie Française, o teatro italiano e o teatro polonês que passavam pela chamada “terra da garoa” a caminho de Buenos Aires, Argentina.
As coisas começaram a mudar no então incipiente teatro bandeirante com o surgimento do Teatro Brasileiro de Comédia, inaugurado em 11 de outubro de 1948 na rua Major Diogo no bairro da Bela Vista. Tudo por conta do (rico) empresário Franco Zampari, que além de administrar suas indústrias, tinha uma enorme devoção pelo palco.
Acertadamente, Zampari começou com um elenco permanente que estudaram exaustivamente as peças encenadas (no início, geralmente europeias), contratou um diretor artístico de nome complicado, Ziembinski (que praticamente inaugurou o teatro brasileiro moderno com a encenação do histórico “Vestido de Noiva” com a companhia Novos Comediantes, no Rio de Janeiro, início da década de 1940).
Depois, Franco Zampari mandou buscar diretores, a maioria italianos como: Adolfo Celi, Flaminio Bollini, Luciano Salce, Ruggers Jacobi, cada um com seu método, diferente de outros. E o elenco? Para representar as peças propostas por estes diretores, o empresário Zampari precisava de artistas nacionais de alto nível de interpretação e experiência. Daí surgiram alguns que hoje são considerados “monstros sagrados” da cena nacional, como: Sérgio Cardoso, Cacilda Becker, Paulo Autran, Cleyde Yáconis, Leonardo Villar, Dina Lisboa (da família Lisboa, daqui de Itapetininga).
Concomitante ao aparecimento do Teatro Brasileiro de Comédia (o T.B.C.), surgiu também a Escola de Arte Dramática para a formação de futuros atores, dirigida por Alfredo Mesquita e que funcionava no segundo andar do prédio do TBC. Lá, os alunos aprendiam tudo sobre teatro e depois entravam (a maioria) no elenco do Teatro Brasileiro de Comédia. Entre os professores, Cacilda Becker. O TBC deu oportunidade para que o público entrasse em contato com grandes autores internacionais e nacionais como: Shakespeare, Gorki, Jean-Paul Sartre, Tennessee Williams, Arthur Miller, e Dias Gomes.
Na metade de 1950 surgiram as companhias do Oficina e Arena. Mas isto é outra (e longa) história, ambos com técnicas teatrais diferentes do TBC.

 

Se fato é foto…

O casal itapetiningano Renata Jensen (empresária) e Cadu D. Andrea conheceram a região da Capadócia que fica na Turquia. Foto – Arquivo Pessoal

Últimas

Correio Politico – Edição 1010

Experiência e Renovação A Federação Brasil Esperança (PV, PT e Pc do B) está com uma chapa forte de pré-candidatos a vereador. Unindo experiência e renovação, a chapa de pré-candidatos...

Câmara aprova projeto de substituição de sacos plásticos convencionais por ecológicos

Prefeitura e Câmara suspendem publicações em sites

Devido à lei eleitoral, a Prefeitura e a Câmara de Itapetininga suspenderam, temporariamente, a exibição de notícias no site e no semanário oficial que impliquem em publicidade institucional. A medida...

Confira as principais notícias de 2022

Jeferson Brun lança pré-candidatura

O atual prefeito de Itapetininga, Jeferson Brun, atualmente filiado ao Republicanos, lançou oficialmente sua pré-candidatura a prefeito de Itapetininga. Caso se confirme o apoio oficial, Brun terá a companhia de...

Novos nomes surgem para  vice-prefeito

Novos nomes surgem para vice-prefeito

Na edição passada, o Jornal Correio publicou seis nomes que estão na disputa para entrar de vice-prefeito em Itapetininga. Mais duas pessoas estão ainda no jogo como ex-secretário municipal de...

Clima desfavorável afeta produção de figo na cidade

Clima desfavorável afeta produção de figo na cidade

No município de Itapetininga, o clima desfavorável marcou a temporada de colheita de figos neste ano, conforme relata Daniel Nache, produtor local. “Este ano foi desafiador desde o início, com...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.