A inutilidade da perenidade

Nestes dias de pandemia, lembrei-me de um artigo de Luiza Nagib Eluf, publicado há alguns anos no jornal “O Estado de São Paulo”, falou com categoria e sapiência a respeito de bens, fatos, negócios, realidade, mistérios, enfim sobre todas as coisas, que às vezes, se tornam infindas, perpétuas e perenes.
Além de advogada, Procuradora da Justiça aposentada e ex-secretária nacional dos Direitos da Cidadania do Ministério da Justiça, é filha do saudoso Júlio Nagib, apresentador e responsável pelo famoso “Jornal da Noite”, da Rádio Tupy de São Paulo.

Ela retratou a situação em que se encontram os arquivos da cidade de São Paulo, “milhões de documentos guardados em prédios ou casas – muitas alugadas – sem que quase nunca serem consultados”. Verdadeiras toneladas de papéis, sem qualquer valor, tanto histórico como também de objetos de consultas.

Isto que acontece até nos pequenos municípios, sucede com frequência não só em domicílios como em instituições governamentais ou particulares. O advogado e ex-vereador local José Ribeiro, também historiador, lembra que na capital paulista – onde residiu – há poucos anos atrás, quase três mil quilos de, possivelmente, documentos e outros objetos, foram queimados. “Uma faxina que a prefeitura da Paulicéia executava para limpar alguns departamentos daquela megalópoles.

O fato, naturalmente, ocorre em casas particulares, quando alguns cômodos são ocupados por grande quantidade de livros, documentos e outras coisas sem utilidade e valor nenhum.
Lembramos que antigos professores e um prefeito de Itapetininga desfizeram suas bibliotecas quando atingiram “idade avançada”, enquanto o chefe do executivo determinou a queima de toneladas de papéis e documentos que, conforme suas declarações, “não tinham serventia alguma e ocupavam espaços sem necessidade”. Houve reclamações de alguns munícipes, mas concordaram posteriormente que “aquilo não significava nada, pois tudo se acaba um dia”.

Assim também pensava uma velha senhora, antiga moradora em uma das vilas desta cidade. Chamava-se Dona Jovelina, muito conhecida em Itapetininga, por ser quase uma figura folclórica.
Pois ela sempre dizia que o ser humano tem uma existência muito longa. Por isso não gostou e ficou muito apreensiva, quando soube pela televisão que com os avanços da medicina a gente poderia viver até os 150 anos. Ela se exasperou, porque “…tenho 85 anos e não concordo com a notícia”. Então matutava: “tenho que viver mais 65 anos e o que eu vou fazer durante todo esse tempo? Sobre a terceira idade ela nem falava. Ironizava, “vai ter quarta, quinta, sexta e mais idades”. Proclamava que gostava de fazer bolo, mas não ia aguentar preparar bolos durante tantos anos assim.

Pior, dizia em desespero: “…não aguentaria o “marido aposentado, sentado no sofá, pedindo a todo momento mais uma cerveja ou um café e se arrastando até o banheiro para desembarque hídrico. Dona Jovelina faleceu há trinta anos atrás, mas até hoje a medicina não conseguiu encontrar a fórmula de viver até o sesquicentenário.

Para ser perene, é necessário ter funções, manter os sonhos e ter dentro de si uma fogueira chamada vida

Últimas

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.