A Maior Virtude

Valéria foi minha aluna nos tempos idos. Hoje estou aposentado e ela também. Fiquei carcomido pelo tempo, cheio de rugas e algumas de expressão. Ela, contudo, conserva a beleza. Não é aquela beleza da adolescência que parecia um botão de rosa, tentando desabrochar para a vida. É a beleza da velhice. Como o tempo passa!
Ela estava na calçada da rua Paranoá, conversando. Estava de costas e assim não a reconheci, mas quando ela me viu passar e disse: Professor. Virei e logo a reconheci. Era a Valéria. Ela se lembrou de uma aula, quando eu disse: – Se nós tivéssemos nascido para fumar, nasceríamos com uma chaminé na cabeça. Aproveitava as aulas para educar e afugentar os meus alunos do vício.Eu amava os meus alunos e creio que era amado por eles. Eles estudavam e, naquele tempo, decoravam as conjunções, preposições, artigos definidos e indefinidos e sabiam de cor as regras de Matemática. O professor, quando fazia a chamada, o aluno dizia presente, citando uma regra de Matemática. Não podia repetir Os alunos diziam que era a disciplina mais feminina. Os alunos liam Camões, Vieira, Machado de Assis e conheciam as escolas literárias. Faziam pesquisas e análises.
Valéria um dia me perguntou: – Professor, o senhor acredita no amor?
– Sim, disse eu respondendo. A Bíblia fala do amor de Deus e do amor humano. “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (São João 3:16) Citei, caro leitor, o versículo de cor. Depois fui citando outros e outros. A minha mãe me preparou para ser Ministro do Evangelho. Ela me doutrinou a seu modo, fazia-me decorar alguns mandamentos, versículos e salmos da Bíblia, portanto eu citei para a Valéria vários textos falando sobre o amor. Ela os achava lindos.
Nesse encontro casual que eu tive com Valéria, ela se lembrou da pergunta que fizera e das palavras paulinas: “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.” ( I Cor. 13:1)Ela vivia com o coração cheio de amor e eu, cheio de sonhos. Sonhava acordado e dormindo e a beleza me inspirava e dizia como São Paulo: “O Amor é sofredor, é benigno…” Procurava definir o meu amor e o amor divino.
Decorava os sonetos líricos de Camões e recitava-os nos saraus, sendo aplaudido pelas meninas que me olhavam sorrindo. Hoje, depois de tanto tempo, não sei se elas sorriam para mim ou de mim. Sorriam e os seus olhos brilhavam. Naquele tempo, lia e relia “A suprema excelência do amor”, escrita por Paulo, hoje leio a parte final: -“ Quando eu era menino falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.”( I Cor.13)

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

Filmes para quem gosta de comer… e cozinhar

Filmes para quem gosta de comer… e cozinhar

BAO (2018). O curta-metragem dirigido por Domee Shi fala de amor, e usa comida para representar uma mãe cuidando e acompanhando o crescimento do filho. Tem um viés bastante simbólico,...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga