“A Paixão Segundo G.H.”, de Clarice Lispector

Por: Daniel Paulo de Souza

Fabulações transformadoras:

É pouco comum o sujeito, envolvido pela casualidade ou pela celeridade do cotidiano, examinar a profundidade de sua vida interior. Normalmente a experiência prática submete-o a automatismos e a superficialidades que insensibilizam a relação dele consigo e com o exterior. A ordem das coisas no mundo, inalterada pela rotina, pela ausência do novo ou até por um certo desbotamento do olhar, pode provocar, em alguma medida, a irreflexão e o comodismo. A protagonista de “A Paixão Segundo G.H.”, romance de Clarice Lispector de 1964, acusa o incômodo que a iminente mudança produz: “tenho medo do que é novo e tenho medo de viver o que não entendo”, visto que “é difícil me entregar à desorientação”.
O impacto da transformação, ou ao menos a sua possibilidade, é justamente o mote dessa obra de Clarice Lispector, cuja ficção, nas palavras de Massaud Moisés, “flui no hiato em que o drama existencial se delineia”. Num dado momento da intriga, a desestabilização que assalta G.H., produto de um acontecimento comezinho, é entendida por ela como a perda da humanidade e do próprio mundo, o qual precisará mudar para acomodá-la ou para engastar um “novo modo de ser” que a habita depois de vivida a experiência de uma sucessão de visões fragmentárias.
Nesse livro, sustentado do início ao fim como monólogo, a narradora personagem, identificada apenas pelas iniciais G.H., começa o enredo intranquila e atormentada pelo que viu na véspera. A princípio não distingue se o fato efetivamente aconteceu da forma como a memória lhe evoca, afinal “a verdade não me faz sentido”, mas, enfim conformada com a tragédia presenciada, tenta imaginar de que maneira dará forma ao caos. A individualidade posta à prova testará os seus limites e a levará a um itinerário psíquico a partir do qual se dará a “exteriorização do oculto”, segundo expressão de Massaud Moisés. Nesse processo, evidencia-se uma característica da prosa de Clarice a que o crítico Álvaro Lins se refere como “a colocação do espaço e do tempo no plano da descontinuidade”, visto que prevalece na história, sem cronologia exata, as intermitências do “eu” e seus efusivos anseios e pensamentos diante de uma trama relativamente enxuta e tênue.
G.H. é uma mulher realizada e financeiramente independente que mora em uma cobertura decorada de forma artística. Pelo apartamento, viam-se retratos dela própria, em cujo semblante “sorridente” e “mal-assombrado” havia um “silêncio inexpressivo”. Ela recentemente despedira a empregada e, como gostava de arrumação, resolveu começar a limpeza da casa pelo quarto que pertenceu à ex-funcionária. Além da surpreendente organização do cômodo, deparou-se ali com outro elemento que lhe chamou a atenção: feito a carvão “na parede caiada”, um mural do contorno de “um homem nu, de uma mulher nua, e de um cão”, produzido por Janair, a empregada, que poderia ter investido no desenho uma representação do ódio que sentia contra a patroa.
Como o quarto era o oposto de tudo o que G.H. criara no apartamento, o “oposto da beleza” resultante de seu talento para arrumar e, atualmente, “o retrato de um estômago vazio”, fisicamente ele a exasperava e não poderia mais carregar em si rastros de Janair. Por esse motivo, era fundamental fazê-lo voltar a ser parte da harmonia da casa, ainda que limpá-lo significasse, se necessário, jogar rios de água no raspado da parede e nos móveis. Porém, ao abrir a porta estreita do guarda-roupa, ela vê, de encontro ao seu rosto, algo insólito: uma “barata grossa”, tão “velha que era imemorial”, a mover-se lentamente até o espaço da abertura.
Dominada pelo medo e pelo ódio e presa entre a cama e o armário, G.H. golpeia o inseto com a mesma porta entreaberta e, extasiada, percebe-se contemplando a vítima que acometeu e que lentamente agonizava. De acordo com Benedito Nunes, “sob o fascínio da barata que a repugna e atrai”, inicia-se um “êxtase selvagem” que absorve G.H. para a “continuidade alucinatória de uma vida envolvente” em que “vê sendo vista”. Ela própria diz que o seu impulso agressivo a permitiria tomar consciência de si de tal modo que a visão daquele bicho a levava a descobrir não só uma identidade “mais profunda”, mas também uma abertura à “larga vida do silêncio”.
Toda a narrativa exprime um fluxo de consciência alicerçado nesse fato primacial e, por assim dizer, banal, através do qual a personagem é arrebatada das suas casualidades e mundanidades para experimentar o segredo, o novo, o até então indizível. A barata, conforme pontua Nunes, “transtornou a existência arrumada de G.H.”, fez que ela perdesse os padrões e as referências a fim de viabilizar uma “metamorfose interior e espiritual” de si representada pela entrada no quarto e pela ruptura com o sistema de “hábitos humanos”. Embora considerasse que “há um mau gosto na desordem de viver”, a narradora não se furtou à sedução de confrontar o inseto e, por meio dele, também confrontar uma nova dimensão do ser a favor de outro, o “não ser”, contraditório, atemporal, irracional, avesso à moral e transcendente ao imanente, percebido no mergulho introspectivo que a vivência do bicho proporcionava.
Nessa nova condição, G.H. mira o consciente para aliviar a sua incômoda descoberta existencial, mas acaba atingindo o inconsciente, o lugar da indiferença “quieta e alerta”, do “indiferente amor”, de um “indiferente sono acordado”, de uma religiosidade às avessas que não prevê a intimidade com o divino, mas postula o abandono à tentação “de ver, de saber e de sentir”, porquanto o centro de gravidade do romance não é a busca pela individualidade ou a sua restauração, mas a fragmentação e a perdição da alma. Nessa esteira, à procura da “grandeza de Deus”, ela encontra a “grandeza do inferno”, expulsa que fora do aconchego porque despertou a curiosidade.
“A Paixão Segundo G.H.”, em seu aspecto confessional, é perpassada por um misticismo reforçado pelas constantes referências religiosas: o “descanso na sétima hora”, o “meu reino que é deste mundo”, o “não ser frio nem quente, mas morno”, o quarto “minarete”, a oposição entre “paraíso e inferno”, a “travessia do deserto” ou a “condição humana” ser “a paixão de Cristo”, por exemplo. Nesse contexto, até a própria personificação de Deus, cujo nome é, na maior parte das vezes, antecedido de artigo definido (“o Deus tem força”, “o Deus não promete”, etc.), é índice de distanciamento ou, nas palavras de Luis Costa Lima, de “recusa de encará-lo como um refúgio situado mais além”, um modo de “incorporar o religioso à dimensão humana da práxis, do agir terreno”.
Olga de Sá destaca que “o movimento da escritura autodilacerada de Clarice Lispector transparece no drama da linguagem”, cuja construção torna acessível a experiência narrada. Segundo Heidegger, “a linguagem fala”, ela “convoca as coisas” a serem visíveis e revela-as existentes no tecido do real. Somente por meio dessa mediação reveladora é que a interioridade de G.H. se mostra autêntico “ser-no-mundo” e que, por mais que transborde da consciência, faz concretos e alcançáveis os sentimentos e as ideias que compartilha. Além disso, essa interioridade permite que a visada de rosto entre a mulher e a barata adquira a densidade existencial que choca, enoja, sensibiliza, atrai ou repudia o leitor: “a linguagem um dia terá antecedido a posse do silêncio”.
No fim, G.H. despersonaliza-se diante da “massa branca” visceral do inseto, mas, numa de suas últimas reflexões, diz que “a realidade é a matéria-prima, e a linguagem é o modo como vou buscá-la”. Isso traduz o estilo literário de Clarice Lispector: uma voz feminina potente, inimitável e insubstituível que sonda, “nos interstícios da matéria primordial”, a “linha de mistério e fogo que é a respiração do mundo”.

Últimas

Correio Político 1003

Correio Político 1003

Pai da Criança Já começou o “vale tudo” na política de Itapetininga. Osmar Thibes, pré-candidato a prefeito pelo PSDB, começou mal a sua campanha. Declarou a um portal de notícias...

Justiça proíbe eventos com maus tratos aos animais

Justiça proíbe eventos com maus tratos aos animais

Uma Ação Civil Pública feita pela advogada Maria Leticia Benassi Filpi na 2ª Vara Cível do Foro de Itapetininga, foi julgada parcialmente procedente pelo Juiz Aparecido César Machado No ano...

Recusas ao bafômetro crescem em Itapetininga

Recusas ao bafômetro crescem em Itapetininga

O Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP) realizou quatro operações de Direção Segura Integrada no município de Itapetininga entre 2022 e 2024. Durante essas ações, foram abordados 2.367...

Professores criticam o Programa Escola Cívico-Militar

Professores criticam o Programa Escola Cívico-Militar

Em uma sessão marcada pelo confronto de estudantes com policiais militares, a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) aprovou o projeto enviado pelo governador Tarcísio de Freitas sobre o Programa...

Prefeitura entrega 164 lotes do Programa Lote Social

Prefeitura entrega 164 lotes do Programa Lote Social

A data 17 de maio consolida, definitivamente, o maior programa de habitação popular já realizado pela Prefeitura de Itapetininga com a entrega oficial dos 164 terrenos do Programa Lote Social,...

Lei antifumo completa 15 anos no estado

Lei antifumo completa 15 anos no estado

A Lei Estadual nº 13.541 de 7 de maio de 2009, também conhecida como lei antifumo, completa 15 anos neste mês de maio. Ela foi proposta e aprovada para preservar...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.