A “Palmira que não foi Massacrada”

Há muito que os jornais e toda mídia noticiam que o governo da Síria acusa o Estado Islâmico (EI) de massacrar pessoas em Palmyra, a maior parte de mulheres e crianças e prepara um contra-ataque para retornar o local dos extremistas islâmicos.
Pela primeira vez Palmyra surge na imprensa mundial; a cidade constitui um dos seis lugares sírios incluídos na lista de Patrimônio da Humanidade da Unesco, e também uma das principais atrações turísticas do país e da região.
E nós, afinal o que temos com a chacina de Palmyra, tão longe do sudoeste paulista e sequer, hoje, possuímos qualquer descendente daquele país? Palmyra existe, no entanto, no munícipio de Itapetininga há exatamente 60 anos, quando então foi implantada no centro vital a Vila Palmira (sem y), uma curta travessa da rua Quintino Bocaiuva com o final da rua Júlio Prestes.
D. Palmira, de saudosa memória, que leva o nome deste local, foi esposa de um dos prefeitos da cidade na década de 1930, Abílio Ayres de Aguirre. Pecuarista , personalidade de conceito e grande prestígio no Estado, tinha parentesco com o Bispo de Sorocaba D. Aguirre, mantinha a residência senhoril – antiga residência de Godofredo Belfort – com quintal de imensa vastidão, coberto de árvores frutíferas e que alcançava parte do Ribeirão do Chá – atual marginal do Chá.
Na acolhedora residência, frequentada por grande número de pessoas, destacavam-se os vizinhos, considerados amáveis: Gumercindo Soares Hungria – da Casa Zebú – Miguel Pucci; Pedro Rogacheski; Arthur Pie; Jota Messias; Francisco Rosa; família Trench ; Plinio Tambelli; Fernando Maciel; família Rezende e outros.
D. Palmira, toda solícita, quase gratuitamente, fornecia aos vizinhos leite fresco, produto obtido da ordenha de vacas criadas no próprio quintal. Pouco tempo depois, toda propriedade foi transformada em loteamento e a primeira construção foi a de seu filho Aylton Ayres, comprada posteriormente pelo funcionário do DER (Departamento de Estradas e Rodagem) José Garcia, hoje, em poder de sua nora Luciana Marelleto Garcia.
Logo após, Brahim Saad, ergue um atraente palacete que teve como inquilino Laluna e depois adquirida pela família de Saturnina Rios Martins. Em razoáveis áreas foram edificadas residências, tendo como moradores Epaminondas Ambrósio (hoje ocupado por Ruth Ambrósio); a de Alberto Isaac, tendo como vizinhos Rafael Orsi – hoje alugada pelo empresário e funcionário da Justiça José Benedito; casal Laudo e Shirley do Banco do Brasil, adquirida pelo casal Carlos e Lourdinha; engenheiro Aylton Vilaça; João Martins (do DER, residindo hoje sua filha Maria Dulce e Milton) finalizando com a família de Plinio Tambelli, e filhos, além da última construção ocupada por Mikei Soares.
Cobiçada pela localização, próximo à zona bancária e ao comércio em geral, vizinha dos clubes sociais e catedral, com estacionamentos para carros em áreas próximas, além de escolas acessíveis, a Vila Palmira com tranquilidade e sossego foi taxada como rua das áreas das mais caras de Itapetininga. Moradores com educação aprimorada, convivendo em clima amistoso e fraternal em verdadeiro espírito cristão, lembram-se ainda que “no cair da tarde, ao badalar da Ave-Maria, invariavelmente, ouvia-se suave melodia executada pelas mãos de d. Dulce Hungria – esposa de Gumercindo Hungria – deixando todos enternecidos, como recebendo mensagens divinas”.

Últimas

Rita de Cássia Moraes Leonel

Rogério Sardela retorna aos palcos

Depois de quatorze anos, um experiente ator da cena teatral itapetiningana retornou aos tablados, Rogério Sardela, com a peça “Agora Eu Tô Solteiro” de sua autoria. A comédia é dirigida...

Preconceito de marca: as relações raciais em Itapetininga

Preconceito de marca: as relações raciais em Itapetininga

Um longo trabalho de investigação sociológica feito por Oracy Nogueira que reúne 12 enunciados comparativos sobre o preconceito nas relações raciais em Itapetininga, originou um estudo com o título “Preconceito...

Rita de Cássia Moraes Leonel

Rita de Cássia Moraes Leonel

Família Mello Moraes Família Moraes Leonel   Primeiramente, a Rita nunca iria deixar a gente escrever ou falar algo sobre ela. Certamente se incomodaria com isso… Mas não dá pra...

Semana registra 44 novos casos de Covid-19

HLOB tem queda nas cirurgias eletivas em 2024

O Hospital Doutor Léo Orsi Bernardes (HLOB) registrou uma queda no número de cirurgias eletivas realizadas em 2024, comparado ao ano anterior. Segundo a assessoria de imprensa do HLOB, no...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.