A passagem de Riachão por Itapetininga

Quem diria que há 72 anos passados, em pleno palco do extinto, majestoso prédio do Cine Ideal, se apresentava à plateia o cantor conhecido por Riachão ?

O então “Cine-Theatro”, localizado no centro da cidade, à rua Monsenhor Soares, apresentava frequentemente cantores, peças teatrais e variedades em geral, com a participação de grupos e artistas famosos, como Procópio Ferreira, Celso Guimarães, Orlando Silva, Isaurinha Garcia e outros astros de primeira grandeza.

Pois precisamente em novembro de 1948, em noite enluarada, surge no palco a figura simpática de Clementino Rodrigues, o destacado artista da Bahia, com o nome artístico de Riachão. Foi um sucesso extraordinário, com repercussão em toda a cidade e em vários municípios da região. No dia seguinte, após pernoitar no conhecido Hotel São Paulo, de propriedade de Romeu Pandolfo, Riachão “deu uma pequena canja no serviço de Alto Falante , localizado próximo ao Largo dos Amores e de propriedade então de Hélio Rochel.

Riachão veio a Itapetininga, trazido por Oswaldo Piedade, hoje centenário, na época proprietário da Instaladora Brasileira, mantendo a disposição do público artigos elétricos e um departamento de vendas de discos, rádios e posteriormente, na década de 50, a novidade da televisão.

Riachão, falecido nesta semana, aos 98 anos de idade, é autor de grandes sucessos, como “Cada macaco no seu galho”, gravada pelos tropicalista Caetano e Gil ou “Vá morar com o diabo”, que Cássia Eler celebrizou, além de Beth Carvalho, Jacson do Padeiro, entre tantos outros que interpretaram suas músicas.

Ex ofice boy de bancos, alfaiate, radialista, malandro, “carpideira de velório”, compôs a primeira música aos 15 anos, “Deixa o dia Raiar” e depois “Eu sei que sou Malandro”.

Ele sempre afirmava que o samba nasceu na Bahia, mas foi desenvolvido com muito amor e carinho no Rio de Janeiro. Moleque, ainda cantava samba de roda “como os escravos cantavam na senzala e o rádio encarregou de levá-lo aos sambistas cariocas” Nos anos 1960 participou do filme do francês Marcel Camus. Nos anos 2000 sua história foi retratada no documentário “Samba do Riachão”, de Jorge Alfredo e ele ainda cantou no Cité de La Musique, em Paris.

“Eu não tive escola, Deus deu a idéia de escrever, o samba está dentro de minha cabeça, de acordo com o que acontece”, sempre assim se expressa. “Vivo Feliz com tudo o que fiz, por que só fiz o bem. Política não entendo. Eu quero é alegria”, dizia. “Cansado eu não fico, se a felicidade é música, eu sou música”.

Essa curiosa e atraente personalidade, tem cinco anos a menos do que o aparecimento do samba no Brasil, se apresentou gratuitamente no Caixa Cultural, em São Paulo, nos dias 28 e 29 de outubro.

Quando esteve em Itapetininga foi recepcionado por Oswaldo Piedade e teve a companhia, também de Dodô, Orlando Scot, Jorge Ravacci, Hélio de Araújo, Murilo Antunes Alves, Nêgo Guedes e ainda visitou o Clube 13 de Maio onde se encontrou com o saudoso Durvalino Toledo.

Com sua morte o samba perde uma de suas maiores expressões, segundo os especialistas, uma personalidade única, que dificilmente será substituída.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga