As urnas impressas em décadas anteriores

No Brasil a discutida urna eletrônica surgiu em 1996. Antes, os votos eram impressos em papéis chamados cédulas, onde vinham escrito o nome do candidato que o eleitor fosse escolher. Juntamente com o voto impresso havia toda a dinâmica do corre-corre do evento eleitoral.
Aqui em Itapetininga as eleições para a escolha dos prefeitos e vereadores, assim como deputados estaduais, federais, senadores, governadores e presidência da república era uma festa! Não havia limites para a propaganda mesmo no dia do evento. Valia tudo para levar o eleitor as urnas. Algumas vezes até eram acompanhados na entrada das salas eleitoral por cabos eleitorais ávidos e guerreiros. Muitos deles recebiam salários para isso. Não era nenhuma devoção a candidatos e partidos políticos. Mesmo que o eleitor já tivesse um candidato, o assédio era enorme. Alguns candidatos a vereador, eles próprios, agitavam os corredores das escolas (geralmente eram nas escolas a votação).
Algumas vezes aconteciam brigas entre partidários de um ou outro candidato para “caçar” votantes. Haviam os chamados currais eleitorais, quando um candidato trazia seus “simpatizantes” (às vezes pegos a força) em caminhões, davam almoço e jantar, não deixando nenhum sair do grupo para não desviar das notícias. Eram votos certos.
No dia da escolha, a cidade ficava repleta de cédulas com o nome dos candidatos. Também pessoas levantando bandeiras, retratos, colantes dos seus partidos, gritando seus nomes e até ensaiando passos de danças carnavalescas. Nenhum adulto maior ou igual dezoito anos passava impune ao dia eleitoral.
Na pós-eleição as coisas não terminavam. Haveria a contagem de votos, geralmente no Fórum. E isto causava um enorme impacto. Vigilância total entre os membros dos partidos e o pessoal que contava as células. Os contadores ficavam espremidos pela plateia em geral. Não podiam dar um passo. Os mesários eram o foco de atenção de todos. De suas mãos sairiam os vencedores. Tais mesários eram convocados entre pessoas (consideradas de bem!) das mais variadas posições sociais e profissões. Para alguns era um enorme sacrifício pois ficariam confinados por dias. Para outros era um prazer. Com o tempo, estes dias de contagem seriam beneficiados por ausência nos serviços quando acabassem sua missão.
Como a contagem era demorada (dias e dias) e sendo transmitida pelo rádio, possibilitava que os ouvintes marcassem em cadernos o resultado alcançado pelos seus candidatos (muitos tinham tempo para isso!).
Muitos candidatos a cargos importantes vinham para cá para contar suas propostas. Nas décadas de 1950 e 1960, as conversas eram face a face, não televisionadas: para os cargos de presidência da república e governador aconteciam grandes comícios aqui, no Largo dos Amores, aglutinando milhares de itapetininganos ao redor dos palanques como os de Adhemar de Barros (para governador e presidente), Juarez Távora (militar, candidato a presidente em 1955), Jânio Quadros (fenômeno político, para presidente em 1960) e outros mais. Nota: Jânio Quadros ganhou mais renunciou oito meses depois, deixando o Brasil numa de suas maiores crises. Nestes comícios de grande porte, muitos deles tornaram-se exuberantes em manifestações nacionais: cantava-se o hino nacional, a bandeira nacional trepidava solenemente, lacinhos verde-amarelos nas lapelas de camisas e casacos, cédulas eram lançadas ao ar. Enfim, festa, festa, festa.
Hoje tudo mudou, inclusive as urnas. São agora eletrônicas. Mas a paixão pelo poder continua e aparece mais e mais. Estão polarizadas pela rivalidade extrema de dois candidatos. Esperamos que na próxima, seja livre (embora muito e muito ameaçada). Esperemos dia 2 de outubro.

Últimas

Rita de Cássia Moraes Leonel

Rogério Sardela retorna aos palcos

Depois de quatorze anos, um experiente ator da cena teatral itapetiningana retornou aos tablados, Rogério Sardela, com a peça “Agora Eu Tô Solteiro” de sua autoria. A comédia é dirigida...

Preconceito de marca: as relações raciais em Itapetininga

Preconceito de marca: as relações raciais em Itapetininga

Um longo trabalho de investigação sociológica feito por Oracy Nogueira que reúne 12 enunciados comparativos sobre o preconceito nas relações raciais em Itapetininga, originou um estudo com o título “Preconceito...

Rita de Cássia Moraes Leonel

Rita de Cássia Moraes Leonel

Família Mello Moraes Família Moraes Leonel   Primeiramente, a Rita nunca iria deixar a gente escrever ou falar algo sobre ela. Certamente se incomodaria com isso… Mas não dá pra...

Semana registra 44 novos casos de Covid-19

HLOB tem queda nas cirurgias eletivas em 2024

O Hospital Doutor Léo Orsi Bernardes (HLOB) registrou uma queda no número de cirurgias eletivas realizadas em 2024, comparado ao ano anterior. Segundo a assessoria de imprensa do HLOB, no...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.