BANDIDAGEM IMPUNE

A insegurança já figura como a principal preocupação dos brasileiros, apesar das notórias deficiências do atendimento à educação, saúde e transportes.
O noticiário policial anda repleto de relatos de crimes cruéis, sórdidos e hediondos. A vida humana tem valido muito pouco.
Os crimes contra o patrimônio preocupam e intimidam, mas não geram grandes comoções, mesmo quando roubam ou danificam equipamentos e ingredientes da merenda escolar, queimam veículos do transporte público, destroem templos ou assaltam bancos. É o risco à vida que atormenta a população.
A sociedade brasileira encontra-se no estágio mais preocupante e desagregador de seu inconformismo, marcado pela descrença na atuação das instituições públicas, afeitas à segurança pública. Chamar a polícia já não representa a solução do problema, mas apenas o adiamento do reencontro com o criminoso, na esquina próxima.
A condenação judicial e o aprisionamento deixaram de ser temores e certezas de criminosos, principalmente menores e deliquentes ricos. Acabam informalmente condenadas e reclusas testemunhas e vítimas.
A sociedade tem fundados motivos para descrer da eficiência de nosso sistema carcerário, piada de mau gosto que pouco reabilita e envolve primitivo e bárbaro ambiente, inclusive de mando de facções, que podem decretar mortes e continuar operando criminosamente, de dentro dos presídios.
A insegurança coletiva pode ser notada nos primitivos linchamentos, a cada dia mais frequentes, e no inusitado e atípico crescimento das empresas de segurança privada. Descrente da justiça, a sociedade tende à vingança.
A pena de morte, involuente em todo o mundo, reúne cada vez mais adeptos em nosso meio. A maioria das pessoas, inseguras quanto ao eventual erro de julgamento humano, e até condoídas pelo histórico de vida de alguns criminosos, acaba aceitando tal reprimenda, diante da condição bárbara e desnecessária de casos específicos de assassinatos.
O principal ingrediente da eficácia das punições, como desestimuladoras do crime, é ser acreditada por criminosos, o que pouco acontece em nosso meio. Muitos crimes sequer são noticiados à autoridade policial, como repetidos e não elucidados assaltos a transeuntes e estabelecimentos comérciais.
A segurança pública, da prevenção ao cumprimento da pena, figura como o tema mais evitado por nossos plenários legislativos, que preferem temas mais amenos e clientelistas. Não faltam estudos e entendidos do tema, à espera da vontade política de reconhecer que ainda somos primitivos e ineficientes.
A persistência de nossa insegurança pública já esvaziou praças, mudou rotinas, inviabilizou investimentos e segue intimidando e infelicitando milhões de brasileiros. Somos, hoje, o país do futebol, samba, natureza e intranquilidade.

Últimas

Pessoas de 57 anos ou mais serão vacinadas hoje

Prefeitura divulga novo cronograma de vacinação

TERÇA-FEIRA – 03 DE AGOSTO 1ª DOSE 24 ANOS OU MAIS – Pessoas sem comorbidades (Drive-thru e a pé nos dois pontos de vacinação) Atende Fácil da Prefeitura e Ginásio...

Isabelly vibra com sucesso das “minas” no skate

Isabelly vibra com sucesso das “minas” no skate

A skatista itapetiningana Isabelly Ávila, de apenas 16 anos, por pouco não se classificou para as Olímpiadas de Tóquio, mas mesmo de longe, segue torcendo pelos atletas estreantes da modalidade...

HLOB está com 100% de ocupação nos leitos para Covid

Hospital de Campanha e UTI do HLOB estão100% ocupadas

A UTI Respiratória do Hospital Léo Orsi Bernardes (HLOB) e o Hospital de Campanha Interno estão 100% ocupados. Preparada para receber pacientes infectados com a Covid-19, a UTI recebe pacientes...

Bolsa Família injeta R$ 5,37 milhões na economia

Bolsa Família injeta R$ 5,37 milhões na economia

Itapetininga recebeu no primeiro semestre, por meio de repasse do Programa Bolsa Família cerca de R$ 5,37 milhões. A informação é do portal de transparência do Governo Federal. Este valor...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga