BANDIDAGEM IMPUNE

A insegurança já figura como a principal preocupação dos brasileiros, apesar das notórias deficiências do atendimento à educação, saúde e transportes.
O noticiário policial anda repleto de relatos de crimes cruéis, sórdidos e hediondos. A vida humana tem valido muito pouco.
Os crimes contra o patrimônio preocupam e intimidam, mas não geram grandes comoções, mesmo quando roubam ou danificam equipamentos e ingredientes da merenda escolar, queimam veículos do transporte público, destroem templos ou assaltam bancos. É o risco à vida que atormenta a população.
A sociedade brasileira encontra-se no estágio mais preocupante e desagregador de seu inconformismo, marcado pela descrença na atuação das instituições públicas, afeitas à segurança pública. Chamar a polícia já não representa a solução do problema, mas apenas o adiamento do reencontro com o criminoso, na esquina próxima.
A condenação judicial e o aprisionamento deixaram de ser temores e certezas de criminosos, principalmente menores e deliquentes ricos. Acabam informalmente condenadas e reclusas testemunhas e vítimas.
A sociedade tem fundados motivos para descrer da eficiência de nosso sistema carcerário, piada de mau gosto que pouco reabilita e envolve primitivo e bárbaro ambiente, inclusive de mando de facções, que podem decretar mortes e continuar operando criminosamente, de dentro dos presídios.
A insegurança coletiva pode ser notada nos primitivos linchamentos, a cada dia mais frequentes, e no inusitado e atípico crescimento das empresas de segurança privada. Descrente da justiça, a sociedade tende à vingança.
A pena de morte, involuente em todo o mundo, reúne cada vez mais adeptos em nosso meio. A maioria das pessoas, inseguras quanto ao eventual erro de julgamento humano, e até condoídas pelo histórico de vida de alguns criminosos, acaba aceitando tal reprimenda, diante da condição bárbara e desnecessária de casos específicos de assassinatos.
O principal ingrediente da eficácia das punições, como desestimuladoras do crime, é ser acreditada por criminosos, o que pouco acontece em nosso meio. Muitos crimes sequer são noticiados à autoridade policial, como repetidos e não elucidados assaltos a transeuntes e estabelecimentos comérciais.
A segurança pública, da prevenção ao cumprimento da pena, figura como o tema mais evitado por nossos plenários legislativos, que preferem temas mais amenos e clientelistas. Não faltam estudos e entendidos do tema, à espera da vontade política de reconhecer que ainda somos primitivos e ineficientes.
A persistência de nossa insegurança pública já esvaziou praças, mudou rotinas, inviabilizou investimentos e segue intimidando e infelicitando milhões de brasileiros. Somos, hoje, o país do futebol, samba, natureza e intranquilidade.

Últimas

CORREIO POLÍTICO 997

CORREIO POLÍTICO 997

Exército Após o final do prazo para a filiação de possíveis candidatos, continua a corrida atrás de partidos políticos. Um número maior de partidos traz mais candidatos a vereador e...

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.