BELEZA HUMANA

Pode parecer preconceituosa, mas não é irreal a idéia de que pessoas ricas tendem a parecer mais bonitas.
A beleza natural, decorrente de traços originais, é sempre mantida, mas sofre os percalços do tempo, da má conservação e até da falta de ornamentos artificiais. A beleza é parâmetro subjetivo, critério que, embora pessoal, possui tipos mais popularizados.
Pessoas ricas, quando insatisfeitas com a embalagem natural, podem apelar para procedimentos os mais diversos, corrigindo o nariz, levantando seios, salientando bundas e postergando rugas. A natureza, contudo, tem a sapiência de preservar aos descendentes as características artificialmente modificadas.
A busca da beleza, quando extremada e quase doentia, gera distorções que escravizam e tornam até ridículas as repetidas plásticas e enchimentos. São infelizes as pessoas insatisfeitas com os traços e tendências originais.
A maioria das pessoas tenta postergar os sinais da idade, e dizem as más línguas que as mulheres raramente são vistas em filas de idosos, pois elas costumam chegar aos 90 sem passar pelos 60. Homens são especialistas no tingimento, a princípio disfarçado, de cabelos.
A calvície, para as mulheres um verdadeiro e arrazoado martírio, não costuma ser aceito pacificamente, pelos homens. Fazem verdadeiras acrobacias para fazer um fiozinho da nuca percorrer toda a cabeça, aparentando um numeroso grupo.
Mesmo com pai, avôs e bisavôs carecas, o adolescente nutre as esperanças de que genética acabe abolida, em sua vez. A visão dos fios que aderiram ao travesseiro é trágica aos inconformados.
Refletindo as distorções humanas, pessoas ricas costumam ter mais opções, quando da escolha de parceiras ou parceiros, e podem sucumbir à busca de protótipos de beleza. Soa lógico que os descendentes terão mitigadas as chamadas feiuras hereditárias.
Há sinais externos de beleza que constituem verdadeiros estelionatos, e ensina, a sabedoria popular, que convém conhecer a família inteira da pretendida, antes de uma decisão. Para alguns, uma cópia da declaração de renda e bens dos ascendentes facilita a aceitação. Malandros e golpistas enxergam, em herdeiras feias, a solução definitiva para um futuro mais confortável.
Mulheres lindas e esculturais costumam ter maior sucesso na busca por empregos, e não raro são alvos de cortesias e facilidades por onde passam. Decorre daí que mulheres feias são, em geral e até por necessidade, mais informadas, competentes e simpáticas.
A maioria dos casamentos desfeitos envolve pessoas credenciadas pelo parâmetro da beleza externa. O dia a dia dos casais torna as características visuais pouco e até nada relevantes. Machistas adoram desfilar com mulheres maravilhosas e carrões, pouco notando que rumam a um futuro de eterna vigilância.
Há pessoas, a maioria, que acabam lindas pela simples convivência, e outras que, lindas, demonstram-se horríveis, no trato pessoal. Na verdade, a beleza pouco importa.
Em conturbados tempos, como o atual, escrever a respeito da realidade humana é estressante. Resta, aos articulistas, temas pouco dominados, como a beleza humana. Desculpem!

Últimas

Operação detém suspeito com droga na Vila Mazzei

Operação detém suspeito com droga na Vila Mazzei

Nesta quarta-feira, dia 16, durante patrulhamento da Operação Itapê + Segura, equipes da Guarda Civil Municipal de Itapetininga prenderam um suspeito nas proximidades de uma escola municipal na Vila Mazzei....

Mangá: ícone pop da cultura japonesa

Mangá: ícone pop da cultura japonesa

Por: Milton Cardoso Havia um enorme abismo cultural entre os imigrantes europeus e japoneses, mas a educação dos filhos era um ponto comum entre eles. Uma das prioridades era a...

Céu das Artes abre inscrições para cursos e oficinas

Céu das Artes abre inscrições para cursos e oficinas

O Centro de Artes e Esportes Unificados em Itapetininga, mais conhecido como Céu das Artes, abriu desde segunda-feira, dia 14, inscrições para diversos cursos e oficinas, todos de graça, voltados...

A chegada dos imigrantes japoneses em Itapetininga

A chegada dos imigrantes japoneses em Itapetininga

Milton Cardoso Especial para o Correio Há exatos 113 anos no porto de Santos desembarcaram do navio Kasato Maru 781 imigrantes japoneses, todos agricultores. Na bagagem traziam muitos sonhos: o...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga