Calçadas

Nossas selvas urbanas sempre privilegiaram o trânsito de veículos.
Ciclistas e pedestres sempre figuraram como clandestinos, atrapalhando a fluidez de carros e motos. Com repentes e tiques vanguardistas, alguns municípios resolveram endeusar as bicicletas, e em alguns locais o conforto e segurança dos ciclistas argumentou intervenções absurdas, verdadeiras afrontas ao ir, vir e permanecer de motoristas e, como sempre, dos desconsiderados pedestres.
As calçadas brasileiras, em regra, servem a uma infinidade de funções, inclusive e de vez em quando ao trânsito de pedestres. Guardam tijolos, telhas, areia e espaços para o preparo da massa para reboco.
Defronte a estabelecimentos comerciais, são utilizadas como estacionamento ou mostruário de mercadorias, além da permanência de vendedores que incitam a entrada no comércio. Lanchonetes e restaurantes aproveitam as calçadas para proporcionar um come e bebe ao ar livre, deixando um corredor indiano para que os pedestres passem pela europeia cena.
Árvores, com troncos enormes, ocupam meia calçada, disputando o lugar com ambulantes que não ambulam, pontos de ônibus, caixas de energia, terminais de água, porta-lixos e tudo o que couber, parado.
As calçadas servem para que o proprietário de cão furioso passeie, sem qualquer instrumento de contenção do animalzinho. Ao perceber que algum pedestre demonstra temor ao cruzamento, o cidadão, solicito e educado, tenta acalmar o transeunte: – Fique tranquilo, ele nunca mordeu alguém de minha família.
As passarelas, calçadas aéreas, são imediatamente edificadas, sempre que o número de atropelamentos ultrapassa 1.000, e os moradores param a via, incendiando móveis, pneus velhos e boletos bancários. Costumam simplificar a vida do pedestre, estando localizadas a 5 km uma da outra.
Ser pedestre é uma atividade de risco, com periculosidade não reconhecida para efeitos de aposentadoria. O Brasil figura como um dos campeões, na estatística mundial de atropelamentos.
As calçadas que ainda não foram transformadas em ciclovias ou pontos comerciais são, em regra, repleta de buracos, declividades e impedimentos físicos. Moradores chegam a construir verdadeiros muros, para facilitar a entrada de veículos.
Proprietários, não raro, consideram a calçada uma extensão do domicílio, podendo lavá-lo com fortes jatos de água, expulsando os mais ousados pedestres. Quando algum pobre resolve parar para descansar, a polícia é chamada, para solucionar a atitude suspeita.
Calçadas constituem responsabilidade, construção e manutenção, de proprietários fronteiriços. Tal responsabilidade raramente é lembrada e cobrada, por prefeituras.
São raros o municípios que padronizam calçadas, podendo o proprietário, se quiser, nelas inscrever o símbolo do Corinthians ou da seleção argentina. Alguns municípios proíbem o plantio de espécies vegetais com espinhos, tipo Coroa de Cristo.
Portadores de necessidades especiais, mulheres com carrinho de bebê, escolares e idosos, são as vítimas preferenciais do descalabro de nossas calçadas. É um dos tantos desrespeitos que ocorrem, impunes, por aí.

Últimas

Correio Político 1002

Correio Político 1002

Tabata Amaral Um importante projeto para criar um protótipo de uma cadeira de rodas movida apenas pelos movimentos da cabeça, está sendo desenvolvido no Campus de Itapetininga do Instituto Federal...

Rita de Cássia Moraes Leonel

Itapetininga perde Alceu Nanini

Esta semana faleceu o empresário Alceu Nanini. Católico fervoroso, teve uma vida exemplar dedicada a ajudar o próximo. Pessoa muito querida na cidade, Alceu foi vice-prefeito e vereador. Uma grande...

Rita de Cássia Moraes Leonel

O Pint of Science Itapetininga foi um sucesso

A avaliação de Cassiano Terra Rodrigues , organizador do evento , é que o Pint of Science Itapetininga 2024 foi um sucesso, com  participação intensa , diversificada e altamente gratificante....

Rita de Cássia Moraes Leonel

O impacto das chuvas do RS no agronegócio brasileiro

Por Maria Clara Ferrari - graduada em Engenharia Agronômica pela Escola Superior de Agronomia de Paraguaçu Paulista em 1980, Latu Sensu em Gestão Agroindustrial pela Universidade Federal de Lavras. Experiência...

Rita de Cássia Moraes Leonel

Rogério Sardela retorna aos palcos

Depois de quatorze anos, um experiente ator da cena teatral itapetiningana retornou aos tablados, Rogério Sardela, com a peça “Agora Eu Tô Solteiro” de sua autoria. A comédia é dirigida...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.